Ditadura de Witzel?

Governo Witzel dificulta tratamento com a cloroquina para escritora Simone Quaresma

A autora de livros cristãos e palestrante conhecida no meio evangélico passa pelo drama do coronavírus

Política e Sociedade

Política e SociedadeAnálises sobre o cenário da política e assuntos de interesse público. Por: Heuring Motta - Teólogo e professor, especializado em Hermenêutica, Ciências Políticas e Logoterapia pela Universidade Católica de Salvador. É também colunista do Instituto John Owen. Casado e pai de uma filha.

21/05/2020 21h24Atualizado há 1 semana
Por: Heuring Motta
Simone Quaresma. Reprodução: Google
Simone Quaresma. Reprodução: Google

A renomada palestrante e escritora de literatura cristã, Simone Quaresma, contraiu o Covid-19 e começa a ter sintomas mais graves da doença.

Ela reside no Rio de Janeiro e segundo o seu amigo Andre Bahia, que publicou um vídeo no Facebook, Quaresma tem tentado o tratamento com a hidroxicloroquina, contudo, estaria enfrentando dificuldades impostas pelo governo de Wilson Witzel.

Segundo informações que chegaram a esta coluna, Simone Quaresma, que é casada com Orebe Quaresma, pastor da Igreja Presbiteriana Ponta D’Areia, no Rio de Janeiro, também teve a sua família contaminada com a Covid-19.

Simone faz parte do drama de muitos cariocas que estão padecendo pelas dificuldades encontradas na gestão do governador Witzel, que aparentemente politizou o tratamento o covid-19, dificultando o tratamento através da hidroxicloroquina, conforme indicado pelo Governo Federal em um novo protocolo editado esta semana, segundo a EBC.

Às informações que chegam é que amigos e políticos entraram em contato com o Presidente Jair Bolsonaro para ajudar a escritora, considerada uma referência na área de educação cristã no Brasil.

Fraudes na saúde do Rio

Às dificuldades encontradas no tratamento dos pacientes com a Covid-19 no Rio de Janeiro não parecem ser por acaso. No último dia 14, por exemplo, a Polícia Federal cumpriu cinco mandados de prisão e 25 de busca e apreensão em uma investigação sobre desvios de R$ 3,95 milhões em recursos públicos na área da saúde.

Como resultado, o governador Wilson Witzel (PSC) exonerou o secretário estadual de Saúde, Edmar Santos, substituindo-o pelo diretor do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle, Fernando Ferry.

Essa mudança, porém, não sinalizou maior esperança para os infectados pelo coronavírus. O governador anunciou na última terça-feira (19) que o Rio adotaria um novo protocolo de saúde, mas não mencionou o uso da cloroquina no tratamento. Em vez disso, reforçou a necessidade do isolamento social, segundo a EBC. Assista abaixo o comunicado: