Coronavírus

"Se o Brasil parar a economia afunda, e com ela (...) os brasileiros mais carentes"

"Velha política/imprensa agem como vírus oportunista", comentou o deputado.

19/03/2020 10h58
Por: Will R. Filho
Reprodução: Google
Reprodução: Google

O deputado federal e pastor Marco Feliciano gravou um vídeo para criticar as pessoas que pedem a paralisação completa das atividades comerciais e de serviços no país devido ao surto do novo coronavírus. O parlamentar explicou que o panico não contribui para lidar com o problema e que tal medida iria "afundar" a economia do Brasil.

"A diferença entre o remédio e o veneno está na dose! Temos que tomar todas as medidas necessárias para combater o coronavírus, mas tão somente as necessárias. Se o Brasil parar a economia afunda, e com ela afundam os milhões de brasileiros mais carente", afirmou o deputado em suas redes sociais.

Seguindo o mesmo raciocínio da psicóloga Marisa Lobo, Feliciano afirmou que a crise provocada pelo coronavírus está sendo politizada como uma arma de ataque ao governo Bolsonaro.

"Velha política/imprensa agem como vírus oportunista. Com crise coronavírus haverá queda crescimento/desemprego/doentes/mortes. Tentarão colocar a insatisfação na conta do Governo. [O] plano é tirar Bolsonaro/Mourão e fazer eleição indireta. Adivinhem quem será o candidato do Centrão?", questionou o deputado.

Uma internauta comentou: "Quem sofre é à população carente que nesse momento tem a obrigação de sair para o trabalho, trabalho esse avulso que dependente de uma demanda, e não consegue o mínimo de vendas para manter sua família. É muito fácil ficar em quarentena, o político, o servidor público, o milionário. No fim do mês o dinheiro está na conta dele. A casa dele está abastecida".

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Blogs e colunas
Últimas notícias
Bloco responsivo Opinião Critica - 300x250- posição 03
Mais lidas