Burocracia

Senador petista cria projeto para regular serviços como Netflix e Prime Vídeo

"Iremos perder vários talentos e diversidade nos conteúdos audiovisuais", reclamou o autor da proposta.

23/12/2019 17h20
Por: Opinião Crítica
Fonte: Agência Senado
Humberto Costa quer regulamentar a Netflix e outros serviços do gênero. Reprodução: Google
Humberto Costa quer regulamentar a Netflix e outros serviços do gênero. Reprodução: Google

Proposições legislativas PLS 57/2018 A oferta de serviços como a Netflix já caiu no gosto popular, mas o hábito de explorar plataformas on-line de transmissão de séries, filmes e documentários pode ser alterado em 2020, a partir da aprovação do Projeto de Lei do Senado (PLS) 57/2018, criado pelo senador Humberto Costa (PT-PE).

O PLS 57/2018 regula a distribuição de conteúdos fornecidos por banda larga diretamente a televisões, celulares e outros aparelhos por empresas como Netflix, Hulu e Prime Video, entre outras. 

O projeto disciplina a comunicação audiovisual sob demanda e a incidência da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional (Condecine) sobre o setor, além da distribuição de vídeo doméstico, abrangendo as plataformas de compartilhamento.

O texto prevê que a contribuição será progressiva de até 4% sobre o faturamento bruto apurado. O texto também assegura a promoção pelos agentes econômicos de conteúdos audiovisuais brasileiros e destina recursos a produtoras cinematográficas do Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

A proposição altera ainda a Medida Provisória 2.228-1/2001, e as Leis 11.437, de 2006 e 12.485, de 2011. De acordo com o projeto, as empresas contribuintes poderão descontar até 30% do valor para adquirir direitos, produzir obras cinematográficas ou videofonográficas brasileiras de produção independente. Parte desses 30% serão destinados às produtoras. 

"Os investimentos feitos por uma empresa como a Netflix, em um ano, representam 60 anos de investimentos no Brasil. É absurda a diferença. Sem uma regulação do mercado, que fará com que essas empresas bilionárias participem da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional [Condecine], a primeira a desaparecer no Brasil será a produção independente", afirmou Humberto Costa.

"Iremos perder vários talentos e diversidade nos conteúdos audiovisuais. Por isso, a importância do projeto", completou, rebatendo as críticas de que o projeto dificultará a livre concorrência, além de poder encarecer os serviços para o consumidor final.

"Isso é terrorismo de mercado de grupos que querem que empresas lucrem muito e não devolvam nada à sociedade. Esses mesmos grupos diziam que a cobrança de bagagem aérea diminuiria os custos das passagens. Qualquer brasileiro pode atestar o contrário", disse o senador.

"Isso é argumento típico de lobista. Do que precisamos é sermos enérgicos na regulação do setor para que ele não corra sem qualquer ação positiva do Estado", concluiu.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.