Socialismo

Alunos desmaiam de fome nas escolas da Venezuela e professores deixam a profissão

"Você não pode educar pessoas esqueléticas e famintas", disse uma professora venezuelana.

03/12/2019 14h38
Por: Opinião Crítica
Fonte: New York Times
Professores carregam aluna que desmaiou em uma escola da Venezuela. Foto/reprodução: New York Times
Professores carregam aluna que desmaiou em uma escola da Venezuela. Foto/reprodução: New York Times

Na Venezuela, centenas de crianças entraram no pátio de uma escola para ouvir um bispo católico local liderar orações por sua educação. "Oramos pelos jovens que estão nas ruas e não podem ir à escola", disse o bispo Jorge Quintero, dirigindo-se à escola Augusto D'Aubeterre Lyceum, na cidade litorânea de Boca de Uchire.

No final da cerimônia de 15 minutos, cinco crianças desmaiaram e duas delas foram levadas em uma ambulância. Os desmaios na escola primária se tornaram uma ocorrência regular, porque muitos alunos vêm para a aula sem tomar café da manhã ou jantar na noite anterior.

Em outras escolas, as crianças querem saber se há comida antes de decidir se vão ou não estudar. "Você não pode educar pessoas esqueléticas e famintas", disse Maira Marín, professora e líder sindical em Boca de Uchire.

A devastadora crise econômica de seis anos na Venezuela está esvaziando o sistema escolar - que já foi o orgulho da nação rica em petróleo e, por décadas, um mecanismo que fez do país um dos mais ascendentes da região.

No passado, essas escolas proporcionaram às crianças, mesmo em áreas remotas, um tiro certeiro nas melhores universidades do país, o que, por sua vez, abriu portas para as melhores escolas americanas e um lugar entre a elite da Venezuela.

A fome é apenas um dos muitos problemas que os afetam agora. Milhões de venezuelanos fugiram do país nos últimos anos, esgotando as fileiras de estudantes e professores. Muitos dos educadores que permanecem foram expulsos da profissão, com salários quase inúteis por anos de implacável hiperinflação.

Em alguns lugares, apenas 100 alunos aparecem em escolas que já ensinaram milhares. O colapso do sistema educacional na Venezuela não está apenas condenando uma geração inteira à pobreza, mas corre o risco de atrasar o desenvolvimento do país em décadas e prejudicar gravemente seu potencial de crescimento, dizem especialistas e professores.

"Uma geração inteira está sendo deixada para trás", disse Luis Bravo, pesquisador educacional da Universidade Central da Venezuela, em Caracas. "O sistema educacional de hoje não permite que as crianças se tornem membros significativos da sociedade".

O governo parou de publicar estatísticas sobre educação em 2014. Mas visitas a mais de uma dúzia de escolas em cinco estados venezuelanos e entrevistas com dezenas de professores e pais indicam que a frequência caiu neste ano.

Muitas escolas estão fechando no país outrora rico, pois crianças e professores desnutridos que ganham quase nada abandonam as salas de aula para ganhar a vida nas ruas ou fugir para o exterior. 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Blogs e colunas
Últimas notícias
Mais lidas