Atentado

Homem que planejou atentado contra Bolsonaro disse que é de "centro-esquerda"

Incitação à morte do presidente Bolsonaro parece ter virado comum

02/12/2019 16h59
Por: Will R. Filho
Em agosto desse ano, outro homem pediu a morte de Bolsonaro. Reprodução: Google
Em agosto desse ano, outro homem pediu a morte de Bolsonaro. Reprodução: Google

Após a prisão de um homem que planejava matar o presidente Jair Bolsonaro em um atentado com faca, em Minas Gerais, o mesmo se disse revoltado com a política nacional e que seria de "centro-esquerda". 

O homem não teve o nome revelado, mas sabe-se que ele trabalha como faxineiro ocasionalmente e teria sido contratado por uma empresa terceirizada pelo Exército em Três Corações, na região Sul de Minas, onde ocorreu uma solenidade na Escola de Sargentos das Armas, com a presença de Bolsonaro na sexta-feira, 29.

O homem publicou vídeos e fotos nas suas redes sociais revelando o seu plano um dia antes de da solenidade, onde trabalharia como faxineiro. No entanto, já na sexta, ele teria sido abordado por um conhecido que viu suas publicações e tentou lhe dissuadir. Assustado, o homem voltou para casa, onde foi preso pela polícia.

"O suspeito trabalhava como terceirizado na ESA e aparecia em vídeos postados, circulando no interior da unidade militar no dia anterior à chegada do Presidente. O suspeito foi detido antes de ter a oportunidade de estar na presença do Presidente", explicou a Polícia Federal em nota, segundo O Tempo.

Aos policiais, o rapaz confessou que cometeria o atentado contra Bolsonaro por "inconformismo político", por se entender como de centro-esquerda, e por "ironia".

Incitação de atentado contra Bolsonaro: caso Vinícius Guerrero

Este é o segundo caso de um homem que aparece intentando a morte do presidente Jair Bolsonaro. Em agosto desse ano o jornalista Vinícius Guerrero apareceu também em um vídeo incitando o assassinato não apenas de Bolsnaro, como de toda a sua família.

Guerrero disse claramente: “Não tem mais condição de aceitar um bosta como Bolsonaro no poder. Esse cara tem que ser assassinado, ele e a família”. O jornalista estava filiado ao PDT e já apareceu ao lado do ex-candidato à presidência, Ciro Gomes.

Após Vinícius Guerrero ser denunciado, o ministro da Justiça Sérgio Moro mandou a Polícia Federal investigá-lo por suspeita de violação à Lei de Segurança Nacional.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Blogs e colunas
Últimas notícias
Mais lidas