O presidente Donald Trump já deu sinais de que os Estados Unidos deverá abandonar o isolamento social generalizado em decorrência da pandemia de coronavírus. Assim como o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, o americano defendeu o retorno da sua população ao trabalho, a fim de proteger a economia nacional.

“Perdemos milhares e milhares de pessoas por ano devido à gripe. Não desligamos o país. Perdemos muito mais que isso em acidentes de automóvel. Nós não ligamos para as montadoras e pedimos para parar de fabricar carros. Temos que voltar a trabalhar”, escreveu Trump em sua conta no Twitter.

Na semana passada, Trump já havia dito que o mundo está “pagando um alto preço”, segundo ele, pelo que a China fez, tanto em vidas perdidas, como em prejuízos econômicos, uma vez que eles também afetam milhões de pessoas. “Tudo teria corrido melhor se tivéssemos sabido tudo isto alguns meses mais cedo, teria sido contido na região da China onde começou”, disse ele na ocasião.

Em seu último pronunciamento oficial na TV, o presidente Jair Bolsonaro defendeu o mesmo raciocínio de Donad Trump, reforçando o seu discurso nesta manhã: “38 milhões de autônomos já foram atingidos. Se as empresas não produzirem não pagarão salários. Se a economia colapsar os servidores também não receberão”, afirmou ele em suas redes sociais.