YouTube exclui canal do Terça Livre e sustento de jornalistas fica ameaçado

Os canais “Terça Livre TV” e o “Terça Livre Live” foram excluídos pelo YouTube da sua plataforma na última noite (03). O comunicado foi feito pela própria empresa de jornalismo e opinião independente, través do seu site oficial.

Como resultado, um dos meios de ganho financeiro deixa de existir, impactando no sustento dos profissionais que prestam serviço para a empresa, como a jornalista Bruna de Pieri, que usou a sua conta no Twitter para lamentar o ocorrido:

“Sem o @tercalivre eu jamais poderia ter me casado ou sustentado minha família quando foi necessário. O TL é mais que um trabalho: É uma missão que sustenta dezenas de pessoas que fazem tudo com amor e por amor”.

Segundo o YouTube, o canal do Terça Livre teria cometido violações das suas políticas. “Esta conta foi encerrada por violação dos Termos de Serviço do YouTube”, comunicou a empresa, que por sua vez alega estar sendo vítima de censura.

“Os globalistas estão derrubando todos os conservadores e agora fomos nós. Amanhã será você! Nós não podemos perder contato uns com os outros. Não podemos deixar esta censura nos CALAR!”, diz um texto assinado pelo proprietário-sócio da TL, Allan dos Santos, ao pedir que os leitores da revista mantenham contato através deste cadastro.

Censura como monopólio da informação

A censura sofrida pela revista Terça Livre vem crescendo e tem um objetivo claro: impedir que mídias alternativas sejam vozes dissidentes dos grandes veículos, a fim de que narrativas que ameaçam os interesses dos grandes grupos venham à tona.

Para isso, os censores estão buscando minar o meio de sustento financeiro dos comunicadores considerados dissidentes, além de taxá-los de forma depreciativa na tentativa de retirar deles a imagem de confiança perante a sociedade.

Como a maioria dos grandes veículos é adepto do viés progressista, naturalmente os conservadores se tornaram o alvo principal da censura. A única forma de vencer essa batalha pela liberdade de comunicação e expressão é através da conscientização individual dos próprios cidadãos.

O leitor, ou consumidor, precisa fazer a sua parte em prol do que acredita. Ler, curtir, compartilhar, assinar, investir nas mídias que apoia e confia. Além de contribuir com o sustento dos comunicadores que trabalham e vivem disso, você também estará dando um recado aos censores, dizendo que não é manipulado por eles.