Quando a unanimidade se faz em torno de uma mentira é quase impossível qualquer controvérsia para desfazer. Lula foi desfeito? Não totalmente! Às mentiras ainda circulam: inocente, o pai dos pobres, perseguido, a voz da oposição, gênio popular.

Lula foi um produto fabricado pela esquerda da classe média para vender à mídia a ideia de única esperança para combater a fome e a corrupção no país – e vendeu bem a ideia. 

A ideia foi cantada por músicos, representada no teatro, difundida nas universidades, propagada na mídia nacional. Do outro lado, governos desastrosos como os de Color e FHC realizaram durante oito anos a pavimentação para que o PT de Lula ganhassem corpo e unanimidade no país. Lula chegou e a mentira ganhou certificado de verdade e realidade.

Qualquer psicólogo forense que seja sério, analisando bem vai trazer todas as características que apontam Lula como um psicopata perigoso. Sim, o termo é esse, não é sociopatia. Lula é de uma periculosidade extremada.

Como bem disse sua companheira de partido Heloísa Helena quando foi candidata pelo PSOL em 2006 à Folha de São Paulo – ela respondeu: ”O presidente Luiz Inácio Lula da Silva é um gângster, o PT é uma ‘organização criminosa capaz de roubar, matar, caluniar e liquidar qualquer um que passe pela frente ameaçando seu projeto de poder”.

O Lula não tem emoções para com o outro. Quando chora, chora porque seu poder está sendo ameaçado ou criticado. Ele foi ao velório de Celso Daniel, tendo membros do alto escalão do PT como suspeitos de ordenar o crime; no funeral de sua esposa Marisa Letícia usou a oportunidade para fazer plataforma política.

Lula não se emociona com o sofrimento do outro, usa o sofrimento do próximo para manipular, não tem respeito algum pelo momento – portanto, características de um psicopata perigoso que no comportamento manifesta: 

1-Hábito de mentir e manipular;

2-Prazer com o sofrimento do outro;

3-Ausência de culpa;

4-Supervalorização da sua pessoa;

5-Um desrespeito pelas leis e costumes sociais;

6-Um desrespeito pelos direitos dos outros;

7-Uma tendência para mostrar comportamento violento;

8- Sentimentos superficiais;

9- Falta de empatia;

10- Ausência de sentido de responsabilidade.

Sim, o Lula ainda é perigoso, mas a esquerda ainda não sabe o que fazer com ele. Pois ele também coloca em perigo a sobrevivência da esquerda. Os apaixonados por ele vão defender até o fim de sua vida a narrativa de que o Lula é inocente. Este comportamento também é comum na relação entre psicopatas e suas vítimas.

Ted Bundy assassinou 33 mulheres nos Estados Unidos entres as décadas de 70 a 80, no entanto, tinha centenas de mulheres apaixonadas e que se dedicavam a escrever cartas de amor para ele. Antes de ir para cadeira elétrica, Bundy chegou a receber visitas íntimas, casar e engravidar uma jovem mulher. 

Não é possível cometer o erro de subestimar quem sempre trabalhou com o sacudir das massas, que esteve no poder durante 14 anos e assaltou os cofres públicos em bilhões, aparelhando ideologicamente as instituições públicas e privadas desta nação.

Como bem disse Russel Kirk: ”Política é a arte da prudência”. Precisamos ser prudentes nos aspectos micro e macro do que acontece no Brasil, resistindo às grandes mudanças de natureza revolucionária, e olhos bem abertos paras as manobras dos psicopatas profissionais da política brasileira.