O presidente Jair Bolsonaro criticou uma medida tomada pelo Partido dos Trabalhadores (PT), que entrou no Tribunal de Contas da União (TCU) com um requerimento pedindo a suspensão do novo protocolo de saúde publicado esta semana pelo Ministério da Saúde, o qual facilita o acesso ao medicamento hidroxicloroquina.

“Um grupo de senadores do PT entrou no Tribunal de Contas da União (TCU) com um requerimento pedindo para que esse nosso entendimento, o protocolo, deixe de ser válido. Ou seja, volta a ser o que era antes”, afirmou Bolsonaro na sua live através do Facebook, na quinta-feira (21).

“O pessoal do SUS não pode mais usar (…) A gente lamenta o requerimento do senhor Humberto Costa, do PT de Pernambuco, que quer fazer com que o pobre não tenha acesso à hidroxicloroquina (…)”, destacou o presidente.

Na prática, a intenção do PT se caracteriza como uma tentativa de impedir o uso da cloroquina na rede pública de saúde, o que pode prejudicar o tratamento de quem necessita do medicamento, muito embora os estudos sobre os efeitos da substância ainda estejam em fase inicial. O presidente fez um apelo ao senador.

“A gente apela ao senador Humberto Costa, que já foi ministro da Saúde, que deixe o pobre, o idoso fazer o uso da hidroxicloroquina de graça. O PT não pode tirar o direito de lutar pela vida de qualquer um”, disse Bolsonaro.

“Cada vez mais eu me convenço que é uma briga ideológica, uma briga partidária. Desde o começo que eu falo na hidroxicloroquina por quê? Eu sei que não sou médico (…) Mas temos que dar esperança”, completou o presidente.