O lugar onde você mora influencia significativamente na sua longevidade

Quando se trata de viver até os 100 anos, bons genes ajudam, mas não falam tudo sobre o que determina essa longevidade.

O fato é que onde você mora tem um impacto significativo na probabilidade de você atingir a idade centenária, sugere um novo estudo realizado por cientistas da Faculdade de Medicina Elson S. Floyd, da Universidade Estadual de Washington.

Publicado no International Journal of Environmental Research and Public Health e com base nos dados de mortalidade do Estado de Washington, as descobertas da equipe de pesquisa sugerem que os moradores de Washington que vivem em comunidades de fácil acesso e com idades variadas podem ter mais chances de viver até os 100 anos. 

Eles também descobriram que o status socioeconômico está correlacionado e um fator extra, mostrando que aglomerados geográficos em que a probabilidade de atingir a idade centenária estão localizados em áreas urbanas e cidades menores com status socioeconômico mais alto.

“Nosso estudo aumenta o crescente número de evidências de que fatores sociais e ambientais contribuem significativamente para a longevidade”, disse o autor da pesquisa, Rajan Bhardwaj, um estudante de medicina do segundo ano da WSU que se interessou pelo tópico depois de servir como auxiliar de assistência domiciliar ao envelhecimento.

Pesquisas anteriores, ele disse, estimaram que fatores hereditários explicam apenas cerca de 20 a 35% das chances de um indivíduo atingir a idade centenária.

“Sabemos de pesquisas anteriores que você pode modificar, através do comportamento, sua suscetibilidade a diferentes doenças com base em sua genética”, explicou Ofer Amram, autor líder do estudo e professor assistente que administra o laboratório de Saúde Comunitária e Epidemiologia Espacial (CHaSE) da WSU.

Em outras palavras, quando você vive em um ambiente que apóia um envelhecimento saudável, isso provavelmente afeta sua capacidade de vencer com êxito suas chances genéticas através de mudanças no estilo de vida (…).

Com base no local onde a pessoa morava, os pesquisadores usaram dados da Pesquisa da Comunidade Americana, Agência de Proteção Ambiental e outras fontes para atribuir um valor ou pontuação a diferentes variáveis ​​ambientais de sua vizinhança. 

As variáveis ​​analisadas incluíram nível de pobreza, acesso ao transporte público e atenção básica, capacidade de locomoção, porcentagem da população em idade ativa, status urbano-rural, poluição do ar e exposição a espaços verdes/natureza.

Posteriormente, eles conduziram uma análise de sobrevivência para determinar quais fatores demográficos e de vizinhança estavam associados a uma menor probabilidade de morrer antes da idade do centenário.

Eles descobriram que a vizinhança com status socioeconômico mais alto e uma alta porcentagem da população em idade ativa (uma medida da diversidade etária) estavam positivamente correlacionada com o alcance do status centenário.

“Essas descobertas indicam que comunidades com idades variadas são muito benéficas para todos os envolvidos”, disse Bhardwaj. “Elas também apoiam o grande impulso no crescimento dos centros urbanos no sentido de tornar as ruas mais acessíveis, o que torna o exercício mais acessível aos idosos e facilita o acesso a cuidados médicos e supermercados”.

Amram acrescentou que os bairros que oferecem maior diversidade etária tendem a estar nas áreas urbanas, onde os idosos provavelmente experimentam menos isolamento e mais apoio da comunidade. Com: NeuroScience