Um estudo do Sistema de Saúde Henry Ford mostra que a controversa droga hidroxicloroquina ajuda a diminuir a taxa de mortalidade de pacientes com COVID-19, informou quinta-feira o sistema de saúde de Detroit.

Funcionários do sistema de saúde de Michigan disseram que o estudo descobriu que a droga diminuiu “significativamente” a taxa de mortalidade dos pacientes envolvidos na análise.

O estudo analisou 2.541 pacientes hospitalizados entre os seis hospitais do sistema entre 10 de março e 2 de maio e concluiu que 13% dos tratados com hidroxicloroquina morreram, enquanto 26% dos que não receberam o medicamento morreram.

Entre todos os pacientes do estudo, houve uma taxa geral de mortalidade hospitalar de 18%, e muitos que morreram já tinham complicações de saúde subjacentes que os colocavam em maior risco, de acordo com o Henry Ford Health System.

Globalmente, a taxa de mortalidade para pacientes hospitalizados está entre 10% e 30%, e é 58% entre aqueles que estão em unidade de terapia intensiva ou em um ventilador pulmonar.

“Como médicos e cientistas, procuramos os dados para obter informações”, disse Steven Kalkanis, CEO do Henry Ford Medical Group. “E os dados aqui são claros de que houve um benefício em usar o medicamento como tratamento para pacientes doentes e hospitalizados”.

O estudo, publicado na Sociedade Internacional de Doenças Infecciosas, descobriu que os pacientes não sofrem efeitos colaterais relacionados ao coração pelo uso do medicamento.

Pacientes com idade mediana de 64 anos estavam entre os analisados, com 51% de homens e 56% de afro-americanos. Aproximadamente 82% dos pacientes começaram a receber hidroxicloroquina em 24 horas e 91% em 48 horas, um fator que o Dr. Marcus Zervos identificou como uma chave potencial para o sucesso do medicamento.

“Atribuímos nossas descobertas que diferem de outros estudos ao tratamento precoce, e parte de uma combinação de intervenções que foram realizadas no atendimento de suporte a pacientes, incluindo monitoramento cardíaco cuidadoso”, disse Zervos, chefe de divisão de doenças infecciosas do sistema de saúde que conduziu o estudo com o epidemiologista Dr. Samia Arshad.

Outros estudos, observou Zervos, incluíram populações diferentes ou não foram revisados ​​por pares.

“Nossa dosagem também diferiu de outros estudos que não mostraram benefício do medicamento”, disse ele. “Também descobrimos que o uso de esteróides no início da infecção está associado a uma redução na mortalidade”.

Mas Zervos alertou contra extrapolar os resultados para tratamento fora do ambiente hospitalar e sem estudos adicionais.

Lynn Sutfin, porta-voz do Departamento de Saúde e Serviços Humanos do Michigan, respondeu ao estudo na quinta-feira observando que “os prescritores têm a responsabilidade de aplicar os melhores padrões de atendimento e usar seu julgamento clínico ao prescrever e administrar hidroxicloroquina ou quaisquer outros medicamentos para tratar pacientes com condições médicas legítimas”.

A Henry Ford Health vem trabalhando em vários ensaios clínicos de hidroxicloroquina, incluindo um que está testando se o medicamento pode prevenir infecções por COVID-19 em socorristas que trabalham com pacientes com coronavírus.

O primeiro ensaio clínico de resposta foi anunciado por funcionários do governo Trump no início da pandemia. Assista o vídeo abaixo. Com: Detroit News