O presidente Jair Bolsonaro acabou de anunciar através das suas redes sociais que os medicamentos cloroquina e hidroxicloroquina terão a sua capacidade de produção ampliada no Brasil, através da utilização dos laboratórios químicos do Exército Brasileiro.

O comunicado surge um dia após a ANVISA ter confirmado a liberação do medicamento para o combate ao novo coronavírus, seguindo o exemplo dos Estados Unidos, primeiro país a testar o fármaco no tratamento dos seus pacientes.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, deu declarações na última sexta-feira indicando que o remédio já estaria disponível para o tratamento de casos graves no Brasil. O ministro explicou:

“O medicamento, cloroquina, a gente já estava participando do estudo, já validamos, temos capacidade de produção, já estamos produzindo, já está na prateleira dos pacientes graves. Lembrando que nessa gripe o problema não é tanto letalidade individual, os pacientes com muita comorbidade falecem, e falecem de influenza, todos os anos.”

“O problema é entrarem todos juntos ao mesmo tempo no sistema de saúde. O vírus é agressivo para o sistema de saúde”, completou, lembrando que o uso do cloroquina não garante a cura e que só é indicado para as situações mais graves.

“Esse medicamento é experimental. Já tinha sido utilizado na China. Nós participamos do ‘trial’ (testes). Ele tem muitas limitações, muitos efeitos colaterais. É indicado para casos graves, entubados. Nós ainda não temos, é falsa, é fake news a informação de que temos um comprimido que toma e sara”, disse ele, segundo O Globo. Veja a gravação de Bolsonaro abaixo: