O presidente Jair Bolsonaro comentou com apoiadores no Palácio da Alvorada, na última noite, que pretende divulgar os riscos envolvidos sobre quem decidir tomar a vacina contra o novo coronavírus. A sua intenção é deixar a população ciente de que pode haver efeitos colaterais.

“Vamos supor que em uma das cláusulas da vacina que eu vou comprar, vamos dizer que, lá no meio, está escrito o seguinte: ‘Nos desobrigamos de qualquer ressarcimento, de qualquer responsabilidade com possíveis efeitos colaterais imediatos ou futuros. E daí, vocês vão tomar a vacina?’, questionou.

“Eu vou mostrar todo o contrato para vocês. Quem tomar vai saber o que está tomando e as consequências”, destacou o presidente, lembrando que qualquer cobrança dessa natureza não deverá ser dirigida ao governo.

“Se tiver um problema, um efeito colateral qualquer, já sabe que não vão cobrar de mim porque eu vou ser bem claro”, concluiu. Por outro lado, um estudo recente que não tem sido divulgado pela grande mídia apontou resultados excelentes para o tratamento precoce. Para conhecer, leia:

Estudo aponta grande eficácia da cloroquina, zinco e azitromicina contra o Covid-19