Patrícia Lélis, que acusou Feliciano de estupro, arruma confusão nos Estados Unidos

Patrícia Lélis sofre acusações
Patrícia Lélis é acusada de usar imagem de bebês como se fossem seus filhos. Crédito da imagem: Jornal da Cidade Online

"A mentira tem perna curta", já diz o ditado popular. Mas quando se trata de pessoas diagnosticadas como mitomaníacas, isto é, que possuem compulsão para mentir, parece que nem pernas a mentira possui. Talvez este seja o caso da "jornalista" Patrícia Lélis, que agora enfrenta outra confusão, porém, nos Estados Unidos.

Para quem não lembra, Patrícia Lélis ficou conhecida no país ao acusar o deputado federal Marco Feliciano de estupro em 2016, e depois anunciar nas redes sociais que teria trocado o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) por um médico cubano, o que lhe teria rendido ameaças vindas do parlamentar e suposto "ex-namorado", segundo ela, algo que até hoje Eduardo nega veementemente.


O processo contra Feliciano foi arquivado, porque o juiz disse nos autos que não viu nenhum elemento comprobatório na ação. Na época, Lélis recebeu apoio da deputada Maria do Rosário (PT). A suposta jornalista então deixou de ser conservadora para militar na ala da esquerda e até do feminismo.

Em seguida Lélis também acusou Talma Bauer, assessor do deputado federal Pastor Marco Feliciano, de sequestro e cárcere privado em um hotel na capital paulista entre julho e agosto de 2016. Após todo o alvoroço da mídia, mais uma vez a acusação não deu em nada e no final das contas ela acabou indiciada pela Polícia Civil de São Paulo, por denunciação caluniosa e extorsão.


Patrícia Lélis foi ainda acusada pelo delegado Luiz Roberto Hellmeister, titular do 3º Distrito Policial (DP), de ser “mentirosa compulsiva” e “mitômana”, segundo informações do portal Metrópoles.

Falso filho nos Estados Unidos


Desde então Patrícia Lélis se manteve na militância de esquerda e chegou a se candidatar em 2018. Para isso ela contratou uma equipe de publicidade que, ora vejam só... também foram prejudicados por ela. O grupo de publicitários acusa Lélis de calote financeiro.


O caso mais recente, porém, começou a circular esta semana nas redes sociais. Uma publicação no instagram de Lélis sugere que ela está morando em uma casa luxuosa nos EUA. No entanto, alguém encontrou exatamente a mesma foto publicada por Lelis em uma imobiliária.

A foto publicada por ela, inicialmente associada à sua moradia, na verdade, é uma casa que está à venda por mais de 2 milhões de dólares. Como se isso não bastasse, ela também postou a foto de um bebê (imagem de capa), como se fosse o seu filho. Segundo a página "Caneta Desesquerdizadora", os pais da criança que são americanos, entraram em contato querendo informações.

Foto que associa bebê americano à "jornalista" brasileira.


"Isso é real? É o meu filho. Se alguém puder me falar quem é Patrícia Lelis, eu agradeceria muito. Ela bloqueou eu e a minha esposa no Instagram", escreveu o pai. E a história doentia não parou por ai.

"Não satisfeita em usar as fotos de uma criança americana para fingir que teve um filho, Patrícia Lélis dobrou a aposta e passou a usar as fotos de OUTRA criança, o River. A mãe da criança ficou tão assustada que apagou o Instagram", informou a Caneta horas atrás. Foto abaixo:

Outro bebê e família, aparentemente, vítimas da mitomaníaca.
Se estes últimos casos forem confirmados e os pais das crianças tomarem providências na Justiça americana, é muito provável que Patrícia Lélis não retorne tão cedo para o Brasil. Assim, em fim, quem sabe um bom tratamento psiquiátrico numa detenção norte-americana resolva de uma vez por todas o problema da jovem.

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo.