Para a mídia, massacre no Sri Lanka foi realizado por terroristas "bem educados"

Para a mídia, massacre no Sri Lanka foi realizado por terroristas "bem educados"

É bastante interessante como a utilização de alguns termos, adjetivos entre outros, indica o tipo de visão que determinado veículo de comunicação ou pessoa por trás dele possui ao relatar um fato.

Quando falamos de notícias relacionadas aos conflitos culturais, especialmente envolvendo grupos religiosos, como muçulmanos, judeus e cristãos, isso fica muito evidente.



Por exemplo: boa parte da grande mídia ao noticiar o perfil dos terroristas responsáveis pelo massacre de 359 pessoas no Sri Lanka, destacaram em suas manchetes que "autoridades identificam oito jihadistas, a maioria de classe média e bem educada". Essa foi a legenda de uma publicação do jornal Estadão, como você pode conferir abaixo (clique para ampliar):

Terrorismo no Sri Lanka foi cometido por pessoas "bem educadas"
O massacre no Sri Lanka foi cometido por terroristas "bem educados"
Podemos concluir então, a partir de tal premissa, que desenvolver uma ideologia que leva ao assassinato de 359 pessoas inocentes, incluindo mulheres, idosos e crianças, pode ser fruto de uma boa educação, certo?

Se fanáticos religiosos e intelectualmente desequilibrados podem ser considerados "bem educados", ao invés de projetos fracassados do que deveria ser, ai sim, uma boa educação, então o que significa educação se resume a uma formação acadêmica?



Jogou-se no lixo toda espécie de ética e moralidade, princípios e valores, como pressupostos básicos para o exercício de uma boa educação. É exatamente isso o que a grande mídia faz ao associar o conceito de "boa educação" com o terrorismo islâmico.

Formação acadêmica não significa boa educação, senão, e meramente, a aquisição acumulativa de informações que sozinhas não significam nada. O sentido moral que damos a tais informações é o que caracteriza a qualidade da 'minha' educação/formação.

Adolf Hitler foi um sujeito altamente bem instruído e assim como outros genocidas do século XX cometeu desastres inimagináveis contra à humanidade.



O que fica implícito em tais manchetes, na verdade, é a ideia sutil de que o terrorismo possui uma razão justificável, visto que parte de pessoas com boa formação. Tal suposição subjetiva reforça no inconsciente coletivo a legitimação de massacres como o de Sri Lanka, especialmente em sujeitos que pendem para tal radicalismo.

"Uau! Não são ignorantes, nem desequilibrados ou fanáticos... eles são bem educados", é a mensagem subliminar transmitida pela mídia, irresponsavelmente, quando na verdade deveria rechaçar qualquer tipo de associação vinculada à boa educação, mas sim ao terrorismo e tudo o que de ruim ele representa, e só!



Portanto, se não pensarmos educação como algo que vai além da formação, incluindo em seu conceito critérios éticos e de moralidade, estaremos nivelando esses assassinos com figuras como Madre Teresa de Calcutá, Marting Luther King e tantos outros que mesmo não tendo uma boa - formação -, foram realmente bem educados.

Por: Will R. Filho

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo.