GRAVE: Ministro do STF ordena a exclusão de matéria que liga Toffoli a delator da Odebrecht

Ministro do STF ordena a retirada do ar de matéria da Crusoé
Segundo revista, Marcelo Odebrecht citou o nome de Dias Toffoli em email. Reprodução: Google

Uma decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, fez arregalar os olhos da imprensa e parlamentares nesta segunda-feira (15). Isto porque, na decisão, ele mandou retirar do ar uma matéria publicada pela revista Crusoé, onde foi divulgada a informação de que o presidente do STF, Dias Toffoli, teria sido citado pelo delator na Lava Jato, Marcelo Odebrecht.

Além da retirada da matéria do ar, Alexandre de Moraes também estipulou uma multa diária de R$ 100 mil reais caso a ordem não seja cumprida, além da prestação de esclarecimento dos autores da matéria em até 72 horas.


A reportagem da Crusoé foi publicada na capa da última edição da revista, na 6ª feira (12.abr), e conforme a própria revista, a publicação foi baseada em informações da operação Lava Jato.

No caso em questão, o empresário Marcelo Odebrecht, dono da empreiteira que leva o seu nome, responde a um pedido de esclarecimento da PF, que queria saber a identidade da pessoa que foi citada em um de seus e-mails como “amigo do amigo de meu pai”.


Segundo a Crusoé, Marcelo disse que o codinome referia-se a Dias Toffoli. Com base nisso, o ministro do STF teria autorizado Alexandre de Moraes a investigar a notícia, considerando "...a existência de notícias fradulentas (fake news), denunciações caluniosas, ameaças e infrações revertidas de animus caluniandi, diffamandi ou injuriandi, que atingem a honorabilidade e a segurança do Supremo Tribunal Federal", informa O Antagonista, que também é alvo da ação.

Em nota, a revista Crusoé reafirmou o conteúdo da matéria e disse estar sendo vítima de censura por parte da Corte. Os jornalistas rechaçaram a ideia de que pelo fato da Procuradoria Geral da República ainda não ter tomado conhecimento da citação ao presidente do Supremo, isso justificaria a acusação de "fake news".


“Crusoé reitera o teor da reportagem, baseada em documento, e registra, mais uma vez, que a decisão se apega a uma nota da Procuradoria Geral da República sobre um detalhe lateral e utiliza tal manifestação para tratar como ‘fake news’ uma informação absolutamente verídica, que consta dos autos da Lava Jato", diz um trecho da nota.

"Importa lembrar, ainda, que, embora tenha solicitado providências ao colega Alexandre de Moraes ainda na 6ª feira, o ministro Dias Toffoli não respondeu às perguntas que lhe foram enviadas antes da publicação da reportagem agora censurada", conclui.


Abaixo, parte da sentença emitida por Moraes, segundo o G1.

"Determino que o site 'O Antagonista' e a revista 'Crusoé' retirem, imediatamente, dos respectivos ambientes virtuais a matéria intitulada 'O amigo do amigo de meu pai' e todas as postagens subsequentes que tratem sobre o assunto, sob pena de multa diária de R$ 100.000,00 (cem mil reais), cujo prazo será contado a partir da intimação dos responsáveis. A Polícia Federal deverá intimar os responsáveis pelo site 'O Antagonista' e pela Revista 'Crusoé' para que prestem depoimentos no prazo de 72 horas", diz a decisão.

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo.