Parlamento britânico denuncia a extração forçada de órgãos "sem anestesia" na China

Extração forçada de órgãos de prisioneiros na China é denunciada pela Inglaterra. Reprodução: Google

Em 26 de março de 2019, foi realizado um debate intitulado "Extração forçada de órgãos de pessoas vivas na China" na Câmara do Parlamento Britânico. Vários parlamentares de várias partes expressaram sua raiva e preocupação com os crimes de extração forçada de órgãos, organizada pelo Estado, na China.

A rádio BBC 4 cobriu o debate durante o programa "Ontem no Parlamento", em 27 de março.


Os legisladores pediram ao governo do Reino Unido que responsabilize a China por um crime que alguns podem achar até difícil de acreditar: a prática do sequestro forçado de órgãos de prisioneiros de consciência. [prisioneiros de consciência são pessoas consideradas "criminosas" em regimes autoritários por questões de liberdade religiosa, política ou ideológica em geral].

Em resposta aos vários discursos dos parlamentares, Mark Field, Ministro de Estado para a Ásia-Pacífico, Escritório para Estrangeiros e da Commonwealth (FCO), disse que abordaria a questão da extração forçada de órgãos internacionalmente.

Praticantes do Falun Gong fazem protesto contra a extração forçada de órgãos no país. Reprodução: Google

"Hoje os membros [do Parlamento] detalharam em suas preocupações [que o governo chinês] não está tomando órgãos de prisioneiros condenados à morte, apenas, mas também de prisioneiros de consciência, especialmente os praticantes de Falun Gong [uma prática budista de meditação proibida no país desde 1999], bem como outras minorias étnicas e religiosas", disse ele.

"Essa prática bárbara e desumana deve acabar", destacou, no debate em Westminster Hall. "Tem havido preocupação de que os órgãos sejam às vezes roubados quando a vítima ainda está viva e quase sem anestesia", disse ele.


O parlamentar Jim Shannon condenou energicamente a perseguição ao Falun Gong e outras religiões, bem como às minorias na China.

Fiona Bruce, deputada conservadora, afirmou que a remoção de forçada de órgãos é "um ato extremamente sinistro" e um "crime contra a humanidade", "uma forma de genocídio escondido entre os arbustos modernos da medicina" e o "crime dos crimes".

"No caso de matar subtraindo os órgãos dos prisioneiros de consciência na China, não há vítimas que possam contar sua história. Isso é porque ninguém sobrevive. É um crime quase perfeito. Isso deve nos impedir de levantar nossas vozes? Não deveria", disse ela.


"Esta prática horrível deve terminar... a comunidade internacional, incluindo o Reino Unido, tem que deixar claro para a China que esta prática é tão repugnante para qualquer país que tem um senso de decência e que aprecia qualquer valor na dignidade da vida humana", afirmou outra parlamentar,  Patricia Gibson de North Ayrshire.

"Não pode haver nenhum equívoco, sem desculpas, sem vistas grossas... o governo do Reino Unido e da ONU têm a ver mais com este grande horror de escala industrial que só podem ser classificados como crimes contra a humanidade", completou.


"Às pessoas foram perseguidas por sua fé, e sabemos em que isso acabou, porque milhões de pessoas morreram como resultado do Holocausto. Se olharmos para a história, vemos que havia muitas oportunidades para os governos intervirem e agirem, mas eles não o fizeram. Não estamos agora no ponto em que deveríamos dizer 'isso tem que parar'?", disse ela.

A parlamentar Carol Monaghan também questionou: "Desde a publicação do primeiro relatório em 2006, concordam os meus colegas que o Reino Unido está 13 anos atrasado ao solicitar uma investigação intergovernamental sobre estas práticas chinesas?".

O parlamentar Afzal Khan, de Manchester, condenou energicamente esse crime e disse: "O silêncio do mundo nesta questão horrível tem que acabar".


Os parlamentares Afzal Khan, Jim Cunningham, de Coventry South, e Bambos Charalambous, de Enfield, deram uma atenção especial à perseguição ao Falun Gong. Eles apontaram que os principais objetivos da extração forçada de órgãos são os praticantes do Falun Gong, e que é hora de parar essa perseguição.

A Corte emitiu um veredicto interno em dezembro passado, com seu presidente, Sir Geoffrey Nice, dizendo que o sequestro forçado de órgãos de prisioneiros de consciência está acontecendo na China "em escala substancial".


Ele também declarou: "Toda a evidência foi revisada por muitas organizações diferentes ao redor do mundo, incluindo órgãos parlamentares na Itália, Espanha, Canadá, Israel, Taiwan, Irlanda, República Checa e os Estados Unidos, bem como grupos não parlamentares como a Comissão de Direitos Humanos do Partido Conservador do Reino Unido".

Na época desta publicação, 40 parlamentares assinaram uma moção (anteriormente moção 2138), que pede ao governo do Reino Unido que condene a prática da extração forçada de órgãos. Também pede que sejam introduzidas leis que proíbam os cidadãos de participarem do turismo de transplantes.


O deputado Gibson acredita que aprovar tais leis "poderia colocar nossa posição moral no mapa e estabelecer uma marca, o que é muito importante... eticamente, é muito importante que apresentemos tais medidas e não possam estar além do senso comum de qualquer governo do Reino Unido para implementá-las".


COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo.