Está aberta a temporada de caça ao Gentili - Mas, e o Gregório Duvivier, como fica?

Danilo Gentili é condenado por injúria contra Marcelo Freixo. Reprodução: Google

Os justiceiros sociais estão soltos! O alvo da vez, Danilo Gentili, já recebeu a sua segunda condenação em menos de uma semana por "injúria", dessa vez contra o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL - RJ).

Segundo o Poder Judiciário do Rio de Janeiro, a 26ª Câmara Cível condenou o humorista a indenizar em R$ 20 mil o parlamentar, além dos seus custos advocatícios.



A primeira condenação proferida também nesta semana condenou o apresentador do SBT a seis meses de prisão em regime semiaberto pela 5ª Vara Criminal Federal de São Paulo, por ofensas contra a também deputada federal Maria do Rosário (PT - RS).

No caso de Freixo, a ação foi motivada por uma discussão no Twitter, em 2017. Gentili, de fato, fez acusações sérias contra o deputado, o chamando de "deputado de m***", "farsante", "bandido machista" e "agressor de mulheres", além de vincular seu nome aos Black Blocs: "E os seus black blocs? Mataram mais alguém esses dias?".

Dois pesos e duas medidas


Legalmente, o nível das palavras utilizadas por Gentili não foi apropriado, nos dois processos. Neste segundo, no entanto, como havíamos comentado no caso de Maria do Rosário, ao invés da prisão, houve uma multa. Notem que há um equilíbrio no julgamento.



Discordância política não deve servir de justificativa para caluniar pessoas, caso contrário a bagunça fica pior do que já está. Defender posições não significa concordar com tudo e o que extrapola limites deve ser repudiado, sim.

O problema em questão, no entanto, é que há dois pesos e duas medidas neste cenário. Repudiar os excessos de uns e não de outros é desonestidade, para não dizer maucaratismo.

A militância humorística da esquerda há anos agride gratuitamente seus opositores, em vários aspectos, e de forma caluniosa e ofensiva. No caso mais recente, no domingo (7), em Curitiba, o humorista Gregório Duvivier atacou o juiz Sérgio Moro:



Duvivier disse que Moro "é um sujeito fraco, frágil, covarde, um m*, um bosta. Eu tenho muita pequena essa cidade [Curitiba] tenha virado símbolo do que há de pior nesse país, esse juizeco, essa republiqueta de m*...".

Qual é a diferença essencial no comentário de Gentili e Duvivier? Judicialmente, ambos podem responder pelo crime de injúria. A diferença é que no lado da direita... digamos assim, não há patrulha ideológica fazendo alarde com qualquer "ti, ti, ti".

Na esquerda, por outro lado, o vitimismo é ferramenta de combate, sempre usada contra o outro. A narrativa é sempre a mesma e só tem validade quando beneficia um lado. É muito provável que o processo contra Duvivier não dê em nada, mas não porque não possa, de fato, mas sim porque não haverá interesse de Moro em querer dar atenção a essa questiúncula.



O que se espera é que no campo das ideias a civilidade impere, sem que a justiça precise ser acionada. O caso Gentili poderia ser facilmente ignorado, caso suas vítimas não fossem especialistas em vitimismo. A liberdade de expressão, ainda que "azeda", seria mantida em nome da paz social.

Como esse não é o caso de Rosário e Freixo, e eles contam com o apoio da patrulha midiática, o que resta ao final são dois pesos e duas medidas e uma liberdade de expressão ameaçada.

Por: Will R. Filho

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo.