CONFIRMADO: Atentado em Sri Lanka foi realizado por terroristas islâmicos, diz governo

Ataque em Siri Lanka foi realizado por grupo terrorista islâmico
Governo do Sri Lanka identifica relação de homens-bomba com grupo terrorista islâmico. Reprodução: Google

O governo do Sri Lanka tenta restaurar a estabilidade após um dos mais violentos ataques terroristas da Ásia em anos, detendo 24 suspeitos e pedindo ajuda ao mundo para investigar o possível envolvimento de grupos terroristas internacionais.

Autoridades disseram que 290 pessoas foram mortas e cerca de 500 ficaram feridas por uma série de ataques que destruíram igrejas e hotéis de luxo no domingo de Páscoa.



O governo acredita que um grupo extremista islâmico local, chamado National Thowheeth Jama'ath, está por trás dos atentados suicidas, disse o porta-voz do governo, Rajitha Senaratne, na segunda-feira.

Senaratne, que também é ministro do gabinete, acrescentou que o governo está investigando se o grupo obteve "apoio internacional".

Não se sabe muito sobre o NTJ, um grupo muçulmano radical que esteve ligado à vandalização de estátuas budistas.

Uma fonte da polícia disse que todas as 24 pessoas sob custódia em conexão com os ataques pertencem a um grupo "extremista", mas não especificaram mais.



O Sri Lanka precisa de assistência de autoridades de segurança no exterior para "checar as ligações estrangeiras desses grupos", disse o primeiro-ministro Ranil Wickremesinghe em um discurso à nação no final do domingo, sem fornecer mais detalhes. "Temos que olhar mais profundamente para isso, mas a primeira tarefa é garantir que o país não seja desestabilizado".

Wickremesinghe sugeriu que as autoridades receberam avisos, mas "não foi prestada atenção suficiente". Um de seus ministros, Harin Fernando, twittou um memorando interno da polícia em 11 de abril avisando que um grupo chamado National Thowheeth Jama'ath planejava bombardear igrejas católicas.



Os atentados foram realizados por sete homens-bomba, disse um investigador do governo nesta segunda-feira. Uma análise das partes do corpo dos atacantes deixou claro que eles eram homens-bomba, disse Ariyananda Welianga, um investigador forense.

Uma fonte do governo disse que o presidente Maithripala Sirisena, que estava no exterior quando os ataques aconteceram, convocou uma reunião do Conselho de Segurança Nacional na segunda-feira. Wickremesinghe compareceria à reunião, disse a fonte.

Militares do Sri Lanka que estavam limpando a rota do aeroporto de Colombo no domingo, preparando-se para o retorno de Sirisena, encontraram uma bomba caseira perto do portão de embarque, disse um porta-voz da Força Aérea.

ATUALIZAÇÃO

O Jornal de Notícias, de Portugal, confirmou na manhã testa segunda-feira (22) a ligação dos homens-bomba com o grupo terrorista islâmico local, segundo a perícia do governo.



"Os sete bombistas suicidas que realizaram o ataque coordenado a igrejas e hotéis no domingo de Páscoa no Sri Lanka, que provocou 290 mortos e 500 feridos, pertenciam ao grupo National Thowfeek Jamaath, informou o Governo cingalês", diz o texto.


Com informações: Japan Times

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo.