"Pais, cuidem do que entra na mente dos seus filhos", diz psicóloga sobre chacina


Uma chacina ocorrida nesta manhã na cidade de Suzano, em São Paulo, onde dois adolescentes abriram fogo contra estudantes na Escola Estadual Raul Brasil, matando vários alunos, a diretora do colégio e em seguida se suicidaram, é um caso intrigante que chama atenção pela configuração dos fatos, o requinte de crueldade e a idade dos assassinos.



A escritora e psicóloga Marisa Lobo, que é especialista em saúde mental, comentou a tragédia em uma publicação logo após o incidente em Suzano, chamando atenção para o que ela chama de "caos social" como o principal fator motivacional para esse tipo de crime.

"Prestem atenção nas roupas, nos adereços, artefatos dos 'estudantes', jovens assassinos, como são muito semelhantes aos jogos violentos de vídeo games e as séries e filmes que alertamos como tendo influência direta no comportamento, principalmente em jovens, a ponto de induzirem atos violentos contra terceiros e a si mesmo", escreveu Marisa.



A psicóloga citou a polêmica série 13 Reasons Why e do jogo da Baleia Azul como exemplos, ambos que foram alvos de críticas de especialistas, tanto psicólogos como psiquiatras, devido ao conteúdo ligado à morte, que aparentemente contribuíram para inúmeros casos de suicídio entre adolescentes.



Marisa também destacou uma peculiaridade nesse massacre, que foi a participação conjunta de duas pessoas. "É bom lembrar que duas pessoas juntas cometendo esses crimes, são alienadas ou por terrorismo ou jogos, séries e filmes", destaca a psicóloga.

"Por mais que tenha uma motivação de 'vingança', há fatores correlacionados, inclusive uso de drogas (Nenhum fator isolado, porém correlacionado). A motivação aparente é apenas a ponta do iceberg do caos social, emocional gerado pela confusão cognitiva com a ficção e realidade", observa.



Em seguida, Marisa destaca sinais de que os assassinos, adolescentes, tinham identificação com jogos e filmes que incentivam o crime, à morte e outros atos violentos, possivelmente ideologias semelhantes.

"Notem que os assassinos (jovens) foram equipados, preparados até com arco e flecha (arma medieval), 38, artefatos (explosivos), foi um massacre premeditado. Onde, como, ou com quem se motivam? Lembro que hoje, muitos filmes, principalmente séries tem sido criticados por comprovadamente, segundo dados estatísticos, científicos, [terem] motivado crimes", argumenta a psicóloga.



"Os dois agiram sem compaixão, de forma violenta, estavam de preto e com máscaras de caveira. O que pode ter desencadeado o ataque ao colégio estadual em Susano/SP? Segundo a Associação Americana de Psicologia há sim uma relação consistente entre o uso de jogos de videogame violentos e o aumento de comportamentos agressivos e de cognição agressiva, e uma diminuição de comportamentos sociáveis, empatia e sensibilidade a agressões", continua. "Isso se aplica também às séries".



Por fim, Marisa explica que esses materiais sozinhos não são suficientes para tornar um jovem violento ou criar neles ideais assassinos, suicidas, mas sim um conjunto de fatores, dos quais envolve a cultura, a educação e outros influentes sobre o comportamento.

"Ressalto ainda que nenhuma influência sozinha leva alguém a se tornar mais violento, mas sim uma acumulação de fatores de risco. Muitas séries de TV tem incentivado em seus enredos, violência e suicídio. Temos que discutir sobre isso em todo mundo. Pais, cuidem do que entra na mente de seus filhos, as autoridades políticas também tem que se atentar para isso", conclui.

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.