"Mais Brasil" - Bolsonaro ainda não assumiu, mas já criou 8.517 vagas de emprego


O governo federal abriu na manhã desta quarta-feira (21) as inscrições para o programa Mais Médicos. Estão sendo ofertadas 8.517 vagas para atuação em quase 3 mil municípios e 34 distritos indígenas. O salário é de R$ 11.800,00.


Podem se candidatar às vagas os médicos brasileiros com CRM Brasil ou com diploma revalidado no país. As inscrições vão até o dia 25 deste mês e devem ser feitas por meio do site do programa. O início das atividades está previsto para o dia 3 de dezembro.

A medida emergencial do governo federal para preencher as vagas foi tomada após o anúncio da saída de Cuba do programa, na semana passada. Atualmente, cerca de 8,2 mil profissionais cubanos participam do Mais Médicos.



Nesta terça-feira (20), o Ministério da Saúde publicou no "Diário Oficial da União" o edital para adesão ao programa.

Comentário:

O custo do programa Mais Médicos criado pelo governo do Partido dos Trabalhadores em 2013 atingiu a casa dos bilhões, precisamente 7,1 bi, segundo informações do UOL Desse montante, 70% do salário aos médicos cubanos foram destinados para o Governo cubano.

Além de verem subtraído os salários, reduzidos para apenas 3 mil por mês, os médicos cubanos foram obrigados a deixar seus familiares na Ilha, não podendo inclusive estabelecer novos relacionamentos amorosos no Brasil. Tudo como tentativa do Governo autoritário de Cuba de evitar a deserção dos seus cidadãos.



O anúncio de Bolsonaro de que em sua gestão o salário dos médicos cubanos deveria ser pago integralmente (R$ 11.520) pôs fim ao acordo de financiamento do regime dos Castros. Obviamente, o único interesse de Cuba nessa parceria era explorar sua mão de obra "barata" em benefício próprio, financeiro.

Com a abertura de vagas para os médicos brasileiros, veremos se o discurso de que não há médicos no Brasil que queiram trabalhar nas regiões isoladas do país se sustenta ou não. Pelo visto não se sustentará, tendo em vista que o site de inscrição em apenas um dia já ficou fora do ar, indicando ter tido grande número de acessos simultâneos.


Com informações: G1
Comentário: Will R. Filho

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.