"O melhor remédio pra estuprador é uma bala na testa!", afirma ex-feminista com foto polêmica


"O único empoderento [sic] que eu luto é o EMPODERARMAMENTO! Mulher armada, mulher empoderada! O melhor remédio pra estuprador é uma bala na testa!", assim escreveu em sua rede social a ex-feminista e ex-candidata a deputada federal pelo Rio de Janeiro, Sara Winter.

Winter disputou uma vaga para o Congresso pelo Rio de Janeiro, mas não foi dessa vez que a ex-feminista conseguiu o número de votos suficiente para o cargo de deputada federal. Mesmo assim, ela se mostrou agradecida e destacou o mérito da sua campanha:

"Eu não me elegi, mas tive 17.221 votos e nenhum foi de legenda. São todos por mérito único e exclusivamente meu e da minha equipe maravilhosa. Eu to muito feliiiiz! Muito obrigada pela confiança!", escreveu em sua rede social.


Fora dos holofotes da eleição, Winter chamou atenção novamente, mas dessa vez foi por uma foto publicada segurando duas pistolas, defendendo o armamento das mulheres como solução contra estupradores. Além dos elogios, muitos internautas criticaram sua postura, questionando como uma pessoa pró-vida poderia se posicionar dessa maneira.

"Cuidado que arma e talão de cheque na mão de otário só dá dor de cabeça, fica dica", escreveu um comentarista, enquanto outros invocaram o exemplo de Jesus para criticar a ex-feminista. Winter, no entanto, esclareceu em outra postagem que possui acesso legal ao armamento, pois frequenta clubes de tiro.

"Houve muita polêmica por conta da minha foto empunhando duas pistolas, dentre elas perguntando se sou mesmo pró vida e até chegaram a dizer que não havia diferença entre mim e os traficantes que condeno", escreveu ela, destacando em seguida oito pontos em sua defesa, como segue abaixo:

"1) tenho acesso à armas porque sou atiradora esportiva, não tenho POSSE nem PORTE por conta da porcaria do estatuto do desarmamento, só toco em armas quando vou ao stand atirar.



2) Para a Santa Igreja Católica, não há pecado em LEGÍTIMA DEFESA;

3) Jesus expulsou os vendilhões do templo na base da chicotada;

4) O pecado da omissão também é gravíssimo;

5) Sou pró vida pois resgato bebês do aborto, mas isso não significa que eu defenda e passe pano quente na cabeça de vagabundo. Bandido que atira em policial pra matar, tem que receber tiro pra morrer;

6) Sou contra pena de morte pois acredito que entregar a tutela da vida mas mãos do Estado seria conceder ainda mais poder para ele.

7) Se eu pegasse um flagrante de estupro e tivesse que usar minha arma, não pensaria duas vezes, e se o estuprador reagisse, não exitaria em abatê-lo.

8 ) Aos 17 anos fui vítima de violência sexual e me admira ver mulheres cristãs sendo mais empáticas com estupradores do que com vítimas. Melhorem".



COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.