"Eu votaria no Lula", disse Bolsonaro... em 1999. Por que a esquerda não cita isso?


"Eu votaria no Lula... Eu o vejo como uma pessoa honesta", declarou o atual candidato à Presidência da República, Jair Messias Bolsonaro, em 1999.


"Não adianta colocar [na presidência] uma pessoa cultista como o FHC, e desonesta. Você não vai ter esperança de nada, nunca na vida. Então falta é honestidade", disse Bolsonaro na sua entrevista ao programa Câmera Aberta, em 23 de maio de 1999, explicando o motivo pelo qual votaria em Lula, atualmente preso em Curitiba pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Por que não vemos a esquerda citando essa declaração de Bolsonaro em favor de Lula? A resposta é simples: porque ela foi dita em um contexto muito específico. O mesmo contexto em que o candidato do PSL disse, na época, que era favorável à tortura. Não só no mesmo contexto, como na mesma entrevista.



Então, porque apenas a fala sobre tortura foi e ainda continua sendo amplamente divulgada, associando a imagem do presidenciável a de torturador? Para entender, leia o texto completo abaixo.

Vários coelhos, uma só cajadada


Cientes de como muitos têm atribuído a pecha de "torturador" ao Bolsonaro, fizemos questão de gastar meia hora assistindo o segundo bloco completo da entrevista ao programa Câmera Aberta, em 23 de maio de 1999, concedida na época pelo atual candidato Jair Bolsonaro.

Analisando a gravação podemos destacar alguns pontos que parecem justificar a fama de "Mito" que possui o candidato do PSL, visto que já desde àquela época o mesmo se mostrava bastante expressivo e confrontador.

Depois de ler os pontos abaixo desafiamos você que, porventura, seja opositor ao candidato do PSL, a assistir a entrevista e ver se o que iremos destacar abaixo possui fundamento ou não. Segue:

01 - Bolsonaro é chamado de "misógino"

O único elogio que fez no bloco foi a uma juíza, destacando a qualidade do seu trabalho e dizendo que o acompanhava. Destacamos esse ponto apenas como uma observação, no mínimo, curiosa para um "misógino" em rede nacional, algo bastante contraditório.

02 - Bolsonaro foi criticado por supostamente querer recriar a CPMF (imposto)

Na entrevista o candidato se posiciona claramente contrário ao imposto e expõe a verdadeira intenção política por trás dele.



03 - Bolsonaro é criticado por supostamente atuar em favor dos banqueiros e da exploração de capital (por conta do viés econômico liberal na atualidade)

Na entrevista Bolsonaro critica duramente os esquemas de corrupção envolvendo políticos e banqueiros na época, dizendo abertamente que existiam para atender interesses partidários e não ao povo.

04 - Bolsonaro é a favor da tortura

Sobre esse ponto temos dois cenários, o passado e o presente.

a) Passado:

Na entrevista Bolsonaro cita a tortura deixando evidente o seu contexto. Ele falava de corrupção e crimes graves, quando foi questionado pelo entrevistador sobre a maneira como uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) deveria tratar os investigados. Observe:



"Eu até sou favorável, na CPI do caso Chico Lopes (filiado ao PCdoB na época) que tivesse até pau de arara lá... ele merecia isso, pau de arara, funciona... Eu sou favorável a tortura, tu sabe disso, e o povo é favorável a isso também. Você pega o irmão do Jabes Rabelo com 15 kg de cocaína no lombo e acha que ele tem que ser tratado com dignidade, né... e nós aqui torturados... preocupados se nossos filhos estão sendo aliciados para o tráfico nas escolas (...). Isso é o que o pessoal chama de democracia. Essa porcaria que a gente vive hoje em dia é o que o pessoal lá de cima [políticos poderosos] chama de democracia".

A título de informação, o irmão do tal Jabes Rabelo, que teve seu mandato cassado em 1999, foi preso em 2001 por tráfico de drogas, pela terceira vez consecutiva, segundo a Folha de São Paulo.

Qualquer pessoa minimamente honesta compreende apenas por esse recorte que Bolsonaro falou com indignação contra o crime organizado defendo, sim, a tortura nesses casos. O fato é:

Você pode não concordar com a tortura de criminosos, mas afirmar que por conta da fala acima o candidato "É" um torturador e, pior ainda, insinuando que tal declaração se refere a qualquer outro contexto fora desse, é distorcer completamente a realidade.

b) Presente:

A entrevista concedida por Bolsonaro foi há quase 20 anos. Assim como ele, que possui 30 anos de vida pública, todos os políticos que você conhece já falaram polêmicas e cometeram erros no passado, basta revirar a história.

Mesmo que Bolsonaro tenha falado com razão sobre a tortura de criminosos no calor da emoção, ele já disse que não apoiaria tal prática no presente.



"Há 20 anos falei numa TV que para salvar a vida de um sequestrado e sua família dessa tortura, tudo seria válido", escreveu o candidato em seu Twitter em 21 de abril desse ano, se retratando em seguida: "Alguns têm caráter para assumir seus erros, como Eduardo Jorge. Quem não evolui? Eu mesmo já disse 20 ou 30 anos atrás, coisas que não falaria".

Portanto, sobre o quesito tortura, considerando o passado Bolsonaro falou em um contexto compreensível, mas ainda assim o mesmo disse ter errado e evoluído de pensamento. Essa questão parece esclarecida.

05 - Bolsonaro "incentiva a sonegação de impostos"

Na mesma entrevista Bolsonaro diz que sonegava impostos e faz essa recomendação para o público. O contexto, mais uma vez, é perfeitamente compreensível [que é diferente de justificável].

Bolsonaro expõe o esquema de corrupção em Brasília, dizendo que o dinheiro do contribuinte vai para o "ralo". Ele, assim como milhões de brasileiros, expressou com total sinceridade o pensamento de todos. A afirmação de Bolsonaro sobre esse quesito apenas mostra que desde 1999 o candidato possui "saco roxo" o suficiente para dizer em rede nacional o que precisa ser dito.

06 - Bolsonaro queria fechar o Congresso, retomar a ditadura e etc.

Mais uma vez, assim como nos tópicos anteriores, o contexto do assunto abordado pelo candidato deixa evidente se tratar de indignação. Bolsonaro desde àquela época denunciava os interesses espúrios da política brasileira e neste sentido quis dizer que o Congresso não passava de uma maquiagem em nome da "democracia". Uma "democracia", na verdade, em prol dos poderosos e não da população.



O quesito ditadura é outro apelo midiático e bastante fora do contexto atual do país. Bolsonaro defende que não houve ditadura, mas sim "regime militar", o que é diferente. De fato, não há um consenso entre os historiadores sobre essa questão, mas devido a extensão do conteúdo não iremos abordá-lo nesse momento.

07 - Bolsonaro votaria no Lula

Por fim, a declaração de voto em Lula no título desse texto, dita por Bolsonaro em 1999, foi apenas para lhe mostrar o quanto a esquerda utiliza falas de forma seletiva e descontextualizadas apenas para denegrir seus opositores.

Em outras palavras, não houve e não haverá repercussão do apoio de Bolsonaro a Lula em 1999 simplesmente porque quem observa o contexto da sua fala na época entende que ele estava escolhendo dos males o menor, dando ênfase ao seu próprio critério de honestidade com base nas informações disponíveis até então.

Bolsonaro disse na entrevista que vota com base nas propostas, independente de elas caminharem para "a esquerda ou direita", revelando um grau de consciência e coerência política diferenciada entre os políticos no Congresso. Aliás, isso em parte pode explicar a dificuldade de aprovar seus projetos.

Ao ser o principal adversário da esquerda atualmente, já tendo declarado voto em Lula no passado, Bolsonaro prova que realmente evoluiu. Que reconhece seus erros, quer tenha sido na defesa da tortura para criminosos do tráfico, ou da política.

Assista a entrevista completo abaixo:



COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.