Psicóloga rebate advogados de Adelio Bispo sobre insanidade: "São frases de efeito"


A psicóloga Marisa Lobo, conhecida por sua defesa de princípios e perspectivas científicas que contrariam parte dos interesses políticos dos Conselhos de Psicologia, publicou um vídeo após o atentado contra Jair Bolsonaro, explicando que os argumentos da defesa do agressor não passam de estratégia jurídica para tentar "manipular" os fatos.



Marisa Lobo, que também é candidata a deputada federal pelo Paraná, fez questão de se posicionar como profissional, dizendo que o perfil do agressor não é compatível com o de uma pessoa "louca". Ela ainda considerou a possibilidade de sociopatia, mas afirmou que nesses casos a punição deve ser a cadeia.

"Está havendo uma tentativa de manipulação jurídica", disse Marisa. "Eu não sou advogada, mas eu sou psicóloga e sou perita criminal". A psicóloga disse que já foi consultada várias vezes sobre a necessidade de realizar perícia criminal, ressaltando a sua experiência no assunto.

Marisa Lobo fez um alerta muito grave, dizendo que alguém possivelmente da área de saúde mental, como psicólogos ou psiquiatras, está auxiliando os advogados de Adelio Bispo para dar "o tom" da defesa no sentido de fazer parecer que ele agiu por insanidade ou surto psicológico momentâneo.

"Alguém está ajudando, e alguém que é um perito em saúde mental. Psiquiatra, por exemplo, que estuda mentes perigosas... mentes manipuláveis, para dar o tom exato de uma defesa", disse a psicóloga.



A profissional ressaltou como às evidências são estranhas e indicativas de que houve uma premeditação possivelmente articulada por outras pessoas. Nesse caso, segundo Marisa, a intenção de utilizar a narrativa de insanidade, especialmente pelo discurso religioso, pode ser uma tentativa de esconder os verdadeiros mentores intelectuais do atentado.

Assista o vídeo completo abaixo:



COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.