ABSURDO: Cerca de 60 meninas foram internadas após sofrerem mutilação genital


Cerca de 60 meninas foram hospitalizadas nesta semana em Burkina Faso após serem vítimas de mutilação genital, prática proibida desde 1996, confirmou nesta terça-feira à Agência EFE a organização governamental encarregada de erradicar a ablação feminina no país.

"Todas as vítimas de mutilação foram internadas em hospitais com hemorragias e infecções", informou à EFE a responsável da Secretaria Permanente do Conselho Nacional para a Luta contra a Prática da Cisão (SP/CNLPE), Viviane Ursule Sanou.


As vítimas têm entre cinco e sete anos, de acordo com Viviane, e foram submetidas à ablação do tipo II, que se caracteriza pela extirpação tanto do clitóris como de parte dos lábios vaginais.

As mutilações aconteceram na região de Kaya, cerca de 100 quilômetros ao norte da capital, entre 4 e 6 de setembro.

Diversas meninas foram internadas na segunda-feira no Hospital Regional de Kaya, e outras 40 no Hospital Protestante de Chiphra, em Ouagadogou, segundo a imprensa local.

Além disso, 30 progenitores e parteiras encarregadas de realizar as mutilações foram detidos e podem receber penas de seis meses a três anos de prisão, conforme estabelece o código penal de Burkina Faso.

"Estamos na temporada de chuvas e a vegetação é densa o suficiente para que se escondam atrás dela durante a mutilação", disse Viviane.


"Nosso desafio hoje é erradicar a ablação clandestina em bebês", acrescentou.

Cerca de 75% das meninas e mulheres de Burkina Faso foram mutiladas, mas só 9% são a favor desta prática, segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

"Isto não significa que tenhamos falhado", disse Viviane, pois "todos os casos foram denunciados em nossa linha telefônica gratuita, o que demonstra que nosso trabalho e a mensagem sobre os efeitos negativos da mutilação genital feminina chegaram às pessoas".

Embora a prática da mutilação esteja diminuindo, estima-se que pelo menos 200 milhões de meninas e mulheres de 30 países foram submetidas a este procedimento no mundo todo, principalmente na África e na Ásia.

Como exemplo, a ablação é quase universal em países como Somália, Guiné e Djibuti, com níveis em torno de 90% - segundo dados do Unicef - enquanto afeta só 1% das meninas e mulheres de Camarões e Uganda.

No caso de Burkina Faso, a taxa entre as menores de zero a 14 anos caiu para 11,3% em 2015, frente aos 23% registrados antes de 2010.

Comentário:

É interessante como a grande mídia omite a grande motivação por trás desse absurdo monstruoso, que é a mutilação genital feminina. Vemos matérias e mais matérias abordando o problema, mas não a sua raiz motivadora, que é a religião.

Apesar de existirem contextos diferentes, a grande influência nos países onde essa prática existe, como no Egito, Etiópia e Indonésia, é a doutrina islâmica.



Essa prática é conhecida no islamismo como "circuncisão feminina" e é relatada no próprio Corão através dos 'Hadiths', livros que narram as "tradições de Maomé", além de estar no Tratado de Lei Islâmica "The Reliance of the Traveller".

"e4.3: Circuncisão é obrigatória (para cada homem e mulher) pela remoção do pedaço da pele da glande do homem, mas a circuncisão da mulher se dá pela remoção do clítoris (isto é chamado Hufaad)", diz um treco do texto.

No caso específico da mulher, onde alguns procedimentos chegam a retirar parte dos grandes e pequenos lábios da vagina, é diminuir o prazer sexual feminino, para evitar o risco de relacionamentos extraconjugais.

Fonte: EFE
Comentário: Will R. Filho

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.