Estuprador afirma que é transgênero, vai para presídio feminino e comete vários estupros


O caso de Karen White reabriu o debate no Reino Unido sobre pessoas transexuais que estão presas em prisões para mulheres, apenas com uma declaração pessoal. Ela é uma detida que foi condenada à prisão por três estupros cometidos em 2016, quando "era homem", e se chamava Stephen Wood. Quando ele foi preso, disse que era trans e foi levado para o pavilhão feminino, onde abusou de várias presas.

White, 52 anos, foi detido em uma prisão masculina por três estupros, já tendo o histórico de ficar um ano e meio na cadeia por comportamento obsceno contra um menor. Segundo o jornal BBC, o Serviço Penitenciário concordou em mandá-lo para uma prisão feminina depois que ele se declarou "uma mulher" diante das autoridades.



Até agora, o detento só admitiu duas das quatro alegações de agressão sexual ocorridas entre setembro e novembro do ano passado. Às queixas são por assédio sexual, manuseio inadequado, exibição de seus genitais e comentários inadequados sobre sexo oral.

Os abusos ocorreram entre setembro e novembro do ano passado na prisão feminina em New Hall.
Uma das violações pelas quais ela[ele] foi acusada[o] ocorreu nos primeiros dias de sua chegada à prisão, no meio da "transição de homem para mulher".

Por sua vez, o Ministério da Justiça pediu desculpas depois de tomar conhecimento da situação e reconheceu que não levou em conta o histórico de White quando tomou a decisão de enviá-lo para New Hall. Segundo um levantamento do país inglês, dos 125 prisioneiros transgêneros nas prisões britânicas, 60 são criminosos sexuais.

Nesse contexto, Frances Crook, gerente executiva da organização da Liga Howard para Reforma Criminal, exigiu que qualquer homem que tenha cometido crimes contra mulheres não seja enviado para uma prisão feminina "até que sua transformação sexual esteja completa" [Ou seja, que o seu pênis tenha sido amputado].

Comentário:

O caso Karen White demonstra com clareza como a falaciosa ideologia de gênero pode ser utilizada para diversas finalidades destrutivas, até mesmo em presídios. A mera declaração de "transgeneridade" baseada na autopercepção é tão absurda do ponto de vista científico que suas consequências são igualmente absurdas.



O mesmo vale para a discussão acerca dos banheiros femininos e masculinos. O abuso sexual, físico ou moral, pode ocorrer com plena facilidade se aceitarmos os argumentos de transexualidade como justificativa para a utilização dos banheiros femininos.

É importante a sociedade tomar conhecimento desses fatos, ainda que por meio de mídias alternativas, já que dificilmente casos como esse serão divulgados nos grandes veículos.


Fonte: TN
Comentário: Will R. Filho

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.