“Lula era machista e achava que homossexual era doença”, diz Marta Suplicy em entrevista


A senadora Marta Suplicy recebeu a Universa no apartamento do marido – Márcio Toledo, empresário do ramo de investimentos – que, em breve vai ser o dela também. Depois de dez anos de casados, eles vão morar juntos.

A sala da casa abriga um piano, uma lareira, cerca de dez sofás, poltronas e cadeiras claras e confortáveis. Numa mesa de centro, há livros, encimado pelo “Meu Companheiro”, escrito por Maria Prestes, mulher de Luiz Carlos Prestes. No escritório, um quadro pintado do busto de Toledo.

Aos 73 anos, Marta, umas das políticas mais importantes, longevas e agitadas do país, anuncia que está abandonando a vida parlamentar. Porém, “não a pública”; uma vez que ela não crava que, nos próximos anos, não participará de novas eleições e que quer fazer a diferença, lutando por temas como aborto e casamento civil fora do Congresso.

Desses mais de 30 anos na vida política, ela não se arrepende “de nada”. Vestida com uma malha da mesma cor que seus olhos, – “ajuda, né?” – sapatilhas de brilho e cílios alongados, Marta mostra nessa entrevista que continua com a mesma verve.

“Não vou votar no Haddad porque ele foi um péssimo prefeito”, (votou pelo impeachment de Dilma) “pela incompetência dela”, Lula “era machista e achava que homossexual era doença” e Eduardo Suplicy, seu ex-marido, “incrementa” o falatório das pessoas sobre a separação do casal. Por sugestão de Marta, ela será chamada de você, e não de senhora, nesta entrevista.

Leia a entrevista completa no Bol Notícias clicando aqui.

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.