Homens dominantes tomam decisões mais rápidas durante emergências, aponta estudo

Independentemente do contexto social, os homens altamente dominantes respondem mais rapidamente em situações em que as decisões precisam ser tomadas, aponta novo estudo.


Hierarquias existem em todas as sociedades humanas e animais, organizadas pelo que os cientistas comportamentais chamam de dominância. Indivíduos dominantes tendem a subir mais alto na hierarquia de sua sociedade particular, ganhando acesso prioritário aos recursos.


Mas o domínio em si depende, em parte, da capacidade de tomar decisões mais rapidamente do que outros. Isso permite que o indivíduo aja primeiro em situações sociais, o que pode conferir uma vantagem evolutiva. No entanto, os cientistas comportamentais não sabiam se os indivíduos dominantes demonstrariam essa rápida tomada de decisão fora dos contextos sociais.

Agora, os laboratórios de Carmen Sandi e Michael Herzog, na EPF, realizaram um grande estudo comportamental sobre os homens para examinar essa questão. O estudo mostra uma correlação clara entre maior dominância social e tomada de decisão mais rápida fora de um contexto de competição social.

O estudo envolveu 240 estudantes do sexo masculino na EPFL e na Universidade de Lausanne (UNIL). Os homens foram classificados em grupos de alta ou baixa dominância por um questionário padrão de "pontuação de dominância" que foi validado em muitos estudos anteriores.

A vel

ocidade de tomada de decisão foi medida com cinco experimentos (“tarefas”), testando a memória dos participantes, o reconhecimento, a capacidade de distinguir emoções, o aprendizado de rotas e a capacidade de resposta.

A primeira tarefa envolveu a discriminação entre emoções vistas em várias imagens de rostos. Então eles mudaram para uma tarefa de memória e reconhecimento, onde foram solicitados a lembrar e reconhecer uma série de rostos.

O terceiro experimento fez com que os participantes trabalhassem aprendendo e se lembrassem de um percurso, e o quarto, um experimento de controle, fez com que os participantes batessem na barra de espaço de um teclado assim que viram um quadrado cinza na tela. Nesta parte do estudo, nenhum dos dois grupos parecia ser mais rápido que o outro.

Os cientistas então realizaram um quinto experimento para identificar sinais neurais que pudessem mostrar diferenças de prontidão para responder entre participantes de alta e baixa dominância. Para fazer isso, os pesquisadores mediram os sinais cerebrais com um eletroencefalograma de alta densidade (EEG).

Os participantes foram convidados a distinguir entre rostos felizes e tristes e, em seguida, rostos com raiva e neutros, enquanto o EEG mediu como o sinal elétrico de seus cérebros mudou em relação a quão rápido ou devagar eles realizaram cada tarefa.



Esta parte do estudo descobriu que a prontidão para responder em homens de alta dominância do que em homens de baixa dominância era acompanhada por um sinal cerebral notavelmente amplificado em torno de 240 milissegundos depois de ver os rostos. Além disso, quando os pesquisadores analisaram as imagens EEG dos participantes de alta dominância, eles identificaram uma atividade mais alta em áreas do cérebro associadas à emoção e comportamento, em comparação com participantes de baixa dominância.

O estudo sugere que homens altamente dominantes respondem mais rapidamente em situações em que é necessária uma escolha, independentemente do contexto social. Essa prontidão na tomada de decisões pode atuar como um “biomarcador” para a disposição social.

“No futuro, será importante descobrir se sinais cerebrais ainda mais fortes são observados em indivíduos particularmente dominantes, como os CEOs”, diz Carmen Sandi.

“Também será relevante entender se essas diferenças de prontidão para responder e sinais cerebrais também são observadas em mulheres que diferem em dominância e se já estão presentes em crianças. Nossas descobertas podem abrir uma nova abordagem de pesquisa usando assinaturas de EEG como uma medida para a dominância social”.


Por: Nik Papageorgiou
Fonte: EPFL

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.