Brasil lidera mortes por armas no mundo, diz estudo - E o Estatuto do Desarmamento?


Mais de 250.000 pessoas morreram em 2016 por ferimentos relacionados com armas de fogo, das quais a metade estava em seis países da América: Brasil, Estados Unidos, México, Colômbia, Venezuela e Guatemala, segundo um estudo publicado nesta terça-feira pelo Journal of the American Medical Association (Jama).

A lista é liderada pelo Brasil, com 43.000 mortos, seguido em suas dez primeiras posições por Estados Unidos (37.200), Índia (26.500), México (15.400), Colômbia (13.300), Venezuela (12.800), Filipinas (8.020), Guatemala (5.090), Rússia (4.380) e Afeganistão (4.050), segundo um comunicado.



O estudo avalia a mortalidade relacionada com armas de fogo entre 1990 e 2016 em 195 países e territórios por idade e sexo, mas exclui as mortes em conflitos, execuções e ações das forças da ordem.

O autor principal do estudo, Mohsen Maghavi, do Instituto de Métricas e Avaliação da Saúde (IHME) da Universidade de Washington, afirmou que este "confirma o que muitos afirmamos durante anos: que a violência armada é uma das maiores crises de saúde pública do nosso tempo".

No entanto, ressaltou que "não há antídotos simples para fazer frente a este problema de saúde. A tragédia de cada morte relacionada com uma arma continuará até que líderes razoáveis e sensatos se reúnam para abordar o problema".

Em 2016, os homicídios representaram 64% das mortes por armas de fogo no mundo todo; seguidos por suicídios (27%) e lesões acidentais (9%).



Nos últimos 26 anos a taxa de homicídios com armas de fogo se estagnou, sem que se registrassem quedas significativas entre 1990 e 2016.

O estudo indica ainda que as mortes relacionadas com armas no mundo todo superaram às provocadas por conflitos e terrorismo a cada ano de 1990 a 2016, com a exceção de 1994, quando aconteceu o genocídio de Ruanda.

Além disso, 87% das mortes totais no mundo (218.900) foram de homens, dos quais 34.700 tinham entre 20 e 24 anos.

No que se refere aos suicídios, o texto aponta que a maior taxa corresponde à Groenlândia (Dinamarca), com 22 mortes por cada 100.000 moradores, seguido dos Estados Unidos com 6,4 mortos, segundo os dados ajustados por idade.

Os resultados deste estudo "reforçam a mensagem de que é imprescindível expandir a segurança e a educação sobre armas", declarou o professor do IHME e também autor do estudo Ali Mokdad.

Comentário:

O Brasil encabeçando essa lista mundial de violência por armas de fogo é a prova cabal (entre outras) de que o Estatuto do Desarmamento aprovado no Governo Lula, em 23 de dezembro de 2003, definitivamente faliu.



Isto não significa que armar a população seja uma primeira medida contra o aumento da violência. Por outro lado, significa que - desarmar - também não é. Ou seja, há questões mais complexas, como o investimento na prevenção através da educação, o que envolve toda a cultura.

O fato é que armas não matam ninguém sozinhas! Pessoas matam pessoas utilizando armas. Essa lógica absurdamente simples nos diz claramente que devemos investir em - pessoas -, mas sem deixar de dar ao povo a chance de se defender quando isto for preciso, especialmente se tratando dos profissionais da segurança, como os policiais.

No final das contas, em 15 anos de Estatuto do Desarmamento, os cidadãos de bem tiveram maior dificuldade para se defender legitimamente, enquanto os criminosos (exatamente porque são criminosos) se armaram cada vez mais. O resultado está ai.

Fonte: EFE

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.