UBER está sendo investigada por suposta discriminação de "gênero" em contratações

A Uber está sendo investigada pela Comissão de Igualdade de Oportunidades no Emprego (EEOC) dos Estados Unidos por acusações de discriminação de gênero, informou nesta segunda-feira a imprensa americana.

O "The Wall Street Journal", que cita fontes com conhecimento do caso, indicou que a investigação é parte de uma série de verificações sobre a companhia feitas pelo governo federal.


A Uber está sendo investigada pela Comissão de Igualdade de Oportunidades no Emprego (EEOC) dos Estados Unidos por acusações de discriminação de gênero, informou nesta segunda-feira a imprensa americana.


O "The Wall Street Journal", que cita fontes com conhecimento do caso, indicou que a investigação é parte de uma série de verificações sobre a companhia feitas pelo governo federal.

Como parte da investigação, que começou em agosto do ano passado, a EEOC ouviu ex-funcionários e atuais empregados da empresa, solicitando também documentos aos que ainda trabalham na Uber.

Segundo o jornal, a EEOC busca informações sobre práticas de contratação, disparidade salarial e outros aspectos relacionados com gênero dentro da Uber. A comissão pode abrir um processo contra a empresa ou buscar um acordo, mas ainda não se sabe se a EEOC tem a intenção de tomar alguma medida contra a Uber.

A empresa disse ao "Journal" que promoveu uma série de mudanças internas nos últimos 18 meses, entre elas a modernização de sua revista e das práticas compensatórias. Além disso, a Uber lançou treinamentos sobre diversidade e liberdade para milhares de funcionários da companhia em todo o mundo.

O jornal ainda afirma que o Uber encarregou o ex-procurador-geral Eric Holder de realizar uma investigação dentro da empresa no ano passado. A ação provocou a demissão de 20 pessoas.

Além disso, um engenheiro de software teria processado a empresa em maio por assédio sexual, discriminação racial e outras acusações.

O "Journal" ainda revela que a chefe de recursos humanos da Uber, Liane Hornsey, foi demitida na semana passada depois de uma investigação interna sobre como o departamento da empresa lidava com as denúncias de discriminação racial.

Segundo o jornal, a Uber encara pelo menos outras cinco investigações federais sobre práticas como a fixação de preços, acusações de pagamento de propina de executivos da empresa no exterior e uso de software para impedir que funcionários do governo rastreiem as operadores da companhia.


Fonte: EFE

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.