Mudei porque não tenho vergonha de pensar - A visão de um ex-"lulista"


Considero uma tarefa fácil destruir a narrativa do PT. Os petistas criaram o que se chama “narrativa” e, no caso, é composta por alguns elementos:

1 – Lula é Inocente;

1.1 – Não há nenhuma prova contra Lula;

1.2 - Lula está sendo perseguido.

A resposta a estes dois pontos tem como base de partida o “complô” contra Lula. Existe mesmo um complô? Quem faz parte do complô? Em primeiro lugar a Procuradoria Geral da República e a Policia Federal seguidos pelo STF.

Então entra a mídia, particularmente a rede globo. Esta mesma que deu tanto apoio a Lula ao ponto de dizer que o Obama declarou: “Este é o cara”. Evidente que não há necessidade de saber muito inglês para saber que a frase foi: “Este é meu garoto".

Esta coisa, apesar de fragrante falsidade (Este é o cara não tem a mesma conotação de este é meu garoto) foi encampada por todos os professores universitários com os quais discuti na UFRPE.

Mas falta “alguém” ou alguma coisa neste “complô” contra Lula: A ONU. Mais precisamente a Comissão De Direitos Humanos – CDH- da ONU. Lembremos que antes do julgamento em segunda instância, o PT declarou que iria ao que, de fato, era confiável (Palavras da Gleisi Hoffman e de Lindbergh Farias).

Então Lula foi condenado em segunda instância e o PT recorreu ao que era confiável. O resultado é que, agora, pelas negativas da CDH, temos, por fim, o complô completo! O mundo é contra Lula. O mundo faz parte do complô.

Mas resta uma alternativa: o Papa! Balela. Lula preso como qualquer outro corrupto. E é bom lembrar que o Temer vai ser alvo da PGR quando sair do cargo.

2 – Dilma sofreu golpe. Mas que golpe? Esta narrativa não só é estúpida como, colocada por professores em sala de aula, apresenta ao alunado uma “versão” ignorante do que vem a ser um golpe.

Todo e qualquer dicionário que traga a palavra golpe no sentido de afastamento de governante, particularmente do presidente da república, vai dizer que a definição de golpe de Estado (a não ser que estejam falando de golpe enquanto substantivo) é o “fechamento das instituições”.

Golpe de Estado é derrubar ilegalmente um governo constitucionalmente legítimo. Os golpes de estado podem ser violentos ou não, e podem corresponder aos interesses da maioria ou de uma minoria, embora este tipo de ações normalmente só triunfa quando tem apoio popular.

Mas o seu aluno, colega, vai carregar na bagagem que golpe é afastar o presidente seja como for. A realidade é que, em qualquer regime presidencialista nos moldes do Brasil, se o presidente não tiver maioria no congresso ou uma popularidade como a de Lula no final de seu mandato, é afastado assim que os parlamentares desejarem.

Não importa se é culpado ou não. Digo sem medo: O Lula não teria sofrido Impeachment. Com base no quê? Lula foi o chefe do mensalão. Apenas o Ministro Marcos Aurélio disse isso com todas as letras. Mas, e então, porque o STF não entrou nesta seara? Porque o Procurador Geral da PGR, agora fazendo parte do “complô”, não o citou. O STF não foi provocado, como dizem os juristas.

Desta forma o que temos? Uma presidente legalmente afastada, um vice-presidente legítimo no poder, como determina a constituição, e um ex-presidente na cadeia, como deve ser.

Nós seremos um país sério? É possível. É possível quando as seitas tais quais o PT não mais existirem. Muita coisa mudou para melhor com este processo todo, a história de quem viveu estes tempos pode não ser a historia oficial. Mas é a verdadeira história, a história da maioria das pessoas que se dignam a pensar.

Fui lulista de carteirinha, e mudei. Mas já dizia Göth: “mudei porque não tenho vergonha de pensar”.


COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.