Mestre em Saúde Pública diz que perseguição do CFP foi prevista por Carl Rogers


Autor do livro "Homossexualidade Masculina - Escolha ou Destino?", Claudemiro Soares Ferreira escreveu um texto comentando os episódios de perseguição ideológica envolvendo o Conselho Federal de Psicologia contra às psicólogas Marisa Logo e Rosângela Justino.

Claudemiro é administrador, foi professor universitário, especialista em Políticas Públicas e Mestre em Saúde Pública pela Fiocruz, sendo um notável defensor da terapia para homossexuais egodistônicos e do reconhecimento de ex-gays.

Para o autor, o renomado psicólogo americano Carl Rogers, responsável pelo desenvolvimento da Abordagem Centrada na Pessoa (ACP), previu que a perseguição ideológica dos Conselhos de Psicologia seria algo inevitável.

O raciocínio de Claudemiro está baseado no fato de que a psicologia humanista enfatiza a liberdade do indivíduo e sua possibilidade de transformação. A própria ACP, de fato, fundamenta-se no conceito de "atualização" e permanente "construção" dos sujeitos, o que inclui a sexualidade.

Por outro lado, o caráter tirânico e absolutista de uma visão teórica impede a possibilidade de mudança, fazendo com que os profissionais que acreditam nessa perspectiva sejam perseguidos por pessoas ou grupos que pretendem controlar a informação e o exercício profissional.

Leia o texto completo de Claudemiro abaixo:

Rogers previu a perseguição dos Conselhos de Psicologia às psicólogas Rozangela Justino e Marisa Lobo 


Em seu livro A Pessoa Como Centro, o Psicólogo Carl Rogers advertiu que sob a direção de uma autoridade tirana que exercesse o poder a partir de "visões autoritárias"  sobre um grupo de indivíduos, "os psicólogos humanistas, por colocarem em foco a liberdade e a dignidade essenciais da pessoa humana e sua capacidade de autodeterminação, estariam entre os primeiros a serem encarcerados".

Os Conselhos de Psicologia perseguiram, censuraram e cassaram o registro profissional das psicólogas Rozangela Justino e Marisa Lobo porque ambas defendem publicamente que os homossexuais egodistônicos são livres para buscarem auxílio terapêutico e dignos de receberem ajuda psicológica para mudarem de orientação sexual.

Felizmente, a Justiça mandou às favas a estupidez autoritária dos Conselhos de Psicologia e ANULOU as punições cretinas,  injustas e cruéis que se impuseram sobre as duas destemidas psicólogas!

Espero que os profissionais da Psicologia reconheçam nessa história a atuação ridícula dos seus conselhos profissionais e decidam, todos, enfrentar a tirania (e a vilania) daqueles que, sem escrúpulos, querem tolher a liberdade e a dignidade dos homossexuais egodistônicos no Brasil.

Claudemiro Soares
Especialista em Políticas Públicas e Mestre em Saúde Pública. 

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.