Relacionamento entre pais e filhos evita o abuso de drogas e de comida na idade adulta, aponta estudo


Crianças que possuem maior comunicação com os pais no início da adolescência fazem menos uso nocivo de álcool e comida por fatores emocionais na idade adulta, de acordo com um novo estudo em Psiquiatria Biológica.


O estudo de 14 anos, que acompanhou participantes de 11 a 25 anos, identificou que o grau de comunicação entre pais e filhos promove o desenvolvimento de uma rede cerebral envolvida no processamento de recompensas e outros estímulos que, por sua vez, protege contra o consumo excessivo de comida, álcool e drogas. Desta forma, a comunicação robusta entre pais e filhos tem um impacto sobre os comportamentos de saúde na idade adulta.

"Isso pode significar que as interações sociais realmente influenciam os padrões de conexão do cérebro na adolescência", disse John Krystal, MD, editor da Biological Psychiatry . "Isso aponta para um importante papel potencial das interações familiares no desenvolvimento do cérebro e o surgimento de comportamentos desadaptativos na idade adulta", acrescentou.

O estudo liderado por Christopher Holmes e colegas do Centro de Pesquisa da Família da Universidade da Geórgia, enfocou os afroamericanos rurais, uma população pouco estudada que pode estar desproporcionalmente em risco para esses comportamentos prejudiciais à saúde na idade adulta jovem. Em 2001, a equipe de pesquisa iniciou um estudo longitudinal envolvendo famílias rurais afro-americanas com uma criança de 11 anos de idade.

Entre as idades de 11 e 13 anos, os participantes relataram as interações com os pais, incluindo a frequência das discussões.

Quando os participantes atingiram 25 anos de idade, uma subamostra de 91 participantes foi recrutada de um estudo maior para participar de sessões de neuroimagem que media a atividade cerebral usando ressonância magnética funcional (fMRI). Especificamente, os pesquisadores usaram fMRI para estudar uma rede de conexões cerebrais chamada de rede de saliência anterior (ASN). Os participantes também responderam perguntas sobre o uso nocivo de álcool e alimentação emocional aos 25 anos.

A maior comunicação entre pais e filhos no início da adolescência previu uma maior conectividade do ASN aos 25 anos, apoiando a ideia de que a parentalidade de alta qualidade é importante para o desenvolvimento do cérebro a longo prazo.

A maior conectividade da ASN foi, por sua vez, associada com menor uso prejudicial de álcool e comida por razões emocionais aos 25 anos. Os resultados apontam para o ASN como um mecanismo do cérebro relacionado a parentalidade, capaz de repercutir na idade adulta.

"Essas descobertas destacam o valor dos esforços de prevenção e intervenção direcionados às habilidades parentais na infância como um meio de promover o desenvolvimento neurocognitivo adaptativo a longo prazo", disse o Dr. Allen Barton, autor corresponsável pelo estudo.

Comentário:

O que o estudo fez, foi traduzir em ressonância magnética o que é observado assiduamente na vida comum e na clínica psicológica. Os relacionamentos familiares são alicerces para quase tudo na vida dos filhos.

É impossível dissociar o abuso de drogas do ambiente familiar. A presença dos pais, como referências boas ou más, fazem toda a diferença no desencadeamento, manutenção ou cura da dependência "química" e outras formas de dependências.


Fonte: Elsevier
Comentário: Will R. Filho 

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.