A tacada de mestre de Trump ao chamar ditador coreano de "muito honroso" e "franco" - Entenda


O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, chamou nesta terça-feira de "muito honroso" o líder norte-coreano, Kim Jong-un, e disse que a Coreia do Norte comunicou aos Estados Unidos que quer que a reunião entre ambos aconteça "o mais rápido possível".

"Kim Jong-un realmente foi muito franco e acredito que muito honroso", disse Trump durante uma reunião com o presidente francês, Emmanuel Macron.


"Vamos ter uma reunião com Kim Jong-un muito em breve. Eles nos disseram diretamente que gostariam de ter a reunião o mais rápido possível. Isso é algo muito bom para o mundo", ressaltou Trump.

O presidente americano opinou que há "uma oportunidade de fazer algo muito especial com a Coreia do Norte", e que o resultado de sua próxima reunião com Kim "talvez seja maravilhoso, e talvez não".

Trump afirmou há uma semana que estava avaliando cinco possíveis locais para seu encontro com Kim - nenhum deles nos EUA - e previu que a esperada reunião acontecerá "no início de junho" ou antes.

Os elogios de Trump a Kim contrastam com a dura linguagem com o qual o presidente americano costumava se referir ao líder norte-coreano no ano passado, quando deu a ele o apelido de "homem foguete" e ameaçou, em discurso na Assembleia Geral da ONU em setembro, "destruir totalmente" a Coreia do Norte.


No último sábado, o regime norte-coreano anunciou a suspensão do seu programa nuclear e de mísseis intercontinentais, e o fechamento de um centro de testes nucleares, em um aparente gesto para aproximar posições em relação às cúpulas que Kim Jong-un terá com Trump e com o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in.

Trump qualificou esse anúncio como "uma notícia muito boa", embora a Casa Branca tenha se mostrado mais cética e tema que esse gesto de Kim Jong-un possa ser unicamente um truque para convencer Washington de que é um líder razoável.

Comentário:

Não podemos nos esquecer de quem Donald Trump realmente é. Estamos falando de alguém que por toda a sua vida empreendeu e se tornou um mega bilionário de sucesso no mundo comercial. Mesmo tendo herdado dos pais parte da sua fortuna, ninguém se mantém no topo empresarial por décadas se não houver extrema habilidade de gestão.

O que isso quer dizer? Trump, como todo líder empresarial de sucesso, é um exímio estrategista e utiliza muito bem as ferramentas do marketing a seu favor. Foi isso o que ele fez com a Coreia do Norte ao pressionar e ameaçar atacá-la, insinuando sua "destruição total", iniciando uma guerra psicológica que vem trazendo resultados positivos.

Na prática,  Kim Jong-un sabe muito bem que seu país não possui condições de resistir à uma guerra militar com os Estados Unidos. Ainda que pudesse lhe enviar uma bomba nuclear, a resposta norte-americana seria imediata e dez vezes maior. Seria o fim da Coreia do Norte.

Ao elogiar o ditador, Trump entra em seu campo emocional e, ao que parece, também na vaidade de  Kim Jong-un, que aparenta gostar de "ostentação". Estabelecer uma aliança com Trump significa abrir possibilidades comerciais, ter acesso ao que pode ser de interesse do ditador no campo diplomático mundial e ganhar recursos para firmar o seu regime.

Por outro lado, Trump cria margem para enfraquecer o regime comunista de Kim Jong-un por via do discurso, das ofertas de facilidades econômicas, tecnológicas, e de uma possível abertura comercial que visaria modernizar a Coreia do Norte, semelhante ao que já fez a China.


Fonte: EFE
Comentário: Will R. Filho

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.