Papa Francisco liga para mãe de Mariella - Solidariedade, politização ou pressão da mídia?


O papa Francisco telefonou para a mãe da vereadora assassinada Marielle Franco, segundo afirmou no Twitter a Fundación Alameda, liderada pelo amigo pessoal do pontífice Gustavo Vera.

A Fundação detalhou que em um primeiro momento a filha de Marielle escreveu uma "afetuosa carta" a Francisco, que chegou ao pontífice através do argentino Gustavo Vera, amigo do papa desde que este era arcebispo de Buenos Aires.


Posteriormente, o papa tentou entrar em contato com Luyara Santos, filha de Marielle, mas finalmente falou com a mãe da vereadora através de uma ligação telefônica.

Comentário:

É compreensível que o Papa Francisco queira demonstrar atitude de solidariedade para com o caso lamentável ocorrido com a Vereadora. Na prática cristã, tal gesto não deve ser visto com surpresa, mas como um dever, especialmente dos líderes.

O que não é compreensível é que tal atitude também não ocorra com inúmeros outros casos de violência e mortes envolvendo os cidadãos, muitos dos quais ainda mais chocantes. Neste caso, o que houve de diferente para que o pontífice resolvesse se manifestar? Politização? Pressão da Mídia? Ou apenas solidariedade?

Com tanta politização e exploração ideológica da tragédia, fica difícil dissociar o gesto de empatia do Papa de outros interesses, o que seria lamentável. Embora não possamos ter essa certeza, também não descartamos a possibilidade, infelizmente.


Fonte: Efe
Comentário: Will R. Filho

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.