Sérgio Moro rebate críticas e diz que "os próprios políticos estão criminalizando a política"

Sérgio Moro rebate críticas

O juiz Sergio Moro, que lidera a investigação de casos de corrupção como o da Odebrecht, afirmou na terça-feira, na Cidade do México, que os processos judiciais contra figuras da política "sempre têm consequências políticas" além das sentenças.

Durante uma conferência no Colégio Nacional do México sobre "Combate à corrupção a partir do poder judiciário", Moro observou que, regularmente, estas consequências sempre ocorrem "fora dos tribunais de Justiça".

Responsável pela Operação Lava Jato, considerado a maior investigação sobre a corrupção na história do Brasil, Sérgio Moro rejeitou que os juízes sejam os responsáveis por criminalizar a política.

"Poderia ser visto como uma criminalização da política, mas se a gente analisar e ver o que acontece, os próprios políticos estão criminalizando a política", afirmou.

Moro rejeitou as opiniões que consideram existir uma disputa entre magistrados e políticos, argumentando que a única coisa que está acontecendo são "que juízes estão analisando acusações de casos de corrupção".

Ele afirmou entender essas opiniões, mas a realidade é que nestes casos "ninguém está sendo processado por opiniões políticas, mas por acusações de comportamento criminoso".

O juiz sustentou que "no âmbito do Ministério Público e da polícia, é necessária uma estrutura que seja compatível com a dimensão e a complexidade dos casos para que as investigações cheguem a uma conclusão bem-sucedida".

Além disso, Moro destacou que diante dos recursos limitados de países como o Brasil e o México, é necessário aprimorar sua utilização a favor do sistema de justiça para obter bons resultados.

"Sabemos que os recursos são limitados", disse o juiz, referindo-se à magnitude de casos como a Lava Jato. Por isso, "sempre é importante saber entregar-los bem", afirmou Moro, que visita o México por convite da ONG Mexicanos Contra a Corrupção e a Impunidade (MCCI).

O juiz relatou que na Lava Jato foram abertos 1.795 processos judiciais, que 176 envolvidos estão condenados, 101 estão presos de forma preventiva e outros 111 em prisão temporária.

Comentário:

A tentativa de querer inverter a lógica da moralidade pública, transformando juízes em algozes e os investigados em mocinhos, é algo típico de quem não enxerga na lei a sua validade para todos.

Criminosos, em geral, pensam assim, mas temos observado de forma predominante como isto se aplica aos partidos de esquerda no Brasil, especialmente o PT, que após a condenação do ex-Presidente Lula em primeira e segunda instância, deixou claro ignorar completamente a ordem pública e suas instituições, incitando a desobediência civil, por exemplo, como fez a presidente do partido.

Sérgio Moro mais uma vez foi preciso em suas declarações, focando na verdadeira raiz do problema, que são os políticos - e partidos - corruptos. Os 1.795 processos da Lava Jato falam por si só.


Fonte: Efe
Comentário: Will R. Filho

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.