INÉDITO: Governo revoga lei que autorizava "casamento homossexual" e se torna alvo de pressão internacional


A nova Lei de Casamento das Bermudas aprovada pelo governador John Rankin em 7 de fevereiro, substituiu a decisão do Supremo Tribunal em maio de 2017, redefinindo as regras para o "casamento homossexual" 


O arquipélago tornou-se assim o primeiro país do mundo a revogar o "casamento" entre pessoas mesmo sexo.

Como Bermuda é um território dependente do Reino Unido, Westminster tem o poder de vetar a nova lei. No entanto, apesar do lobby dos ativistas LGBTs, o governo conservador de Theresa May não deve impedir a decisão.


A ministra britânica do Ministério de Relações Exteriores, Harriet Baldwin, disse aos deputados britânicos que o bloqueio da nova lei seria inadequado.

Ela disse:

"Depois de uma consideração completa e cuidadosa no que diz respeito às obrigações constitucionais e internacionais das Bermudas, o Secretário decidiu que, nessas circunstâncias, não seria apropriado usar esse poder para bloquear a decisão, que só pode ser usada quando existe uma lei ou base constitucional para fazê-lo, e mesmo assim apenas em circunstâncias excepcionais ".

Walton Brown, ministro dos Assuntos Internos das Bermudas, disse a jornalistas que a maioria dos bermudenses acredita que o casamento só pode ocorrer entre um homem e uma mulher.

"O ato tem como objetivo encontrar um equilíbrio justo entre dois grupos atualmente irreconciliáveis ​​nas Bermudas, reafirmando que o casamento deve ser entre um homem e uma mulher e, ao mesmo tempo, reconhecer e proteger os direitos dos casais do mesmo sexo", disse ele.

O governo de Bermúde acredita que a Lei de Casais Domésticos oferece direitos semelhantes aos casais tradicionais, embora não sejam considerados casados, de fato.

Os ativistas LGBTs estão prevendo uma reação contra Bermudas. A indústria turística, aparentemente, teria sido afetada por homossexuais estrangeiros que cancelarem seus planos de férias.

A BBC relata que companhias de linha de cruzeiro Cunard e P&O, ambas licenciadas nas Bermudas, serão "muito infelizes" após a mudança na lei, o que significará que não poderão mais realizar casamentos LGBTs em seus navios.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, disse que estava "muito decepcionada" com a decisão da Bermuda de revogar o "casamento homossexual". No entanto, ela apontou que a "lei foi aprovada democraticamente pelo Parlamento das Bermudas..".


Com informações: Life Site News

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.