Arqueólogos fazem nova descoberta que confirma relatos bíblicos sobre o tempo de Jesus

Arqueólogos israelenses descobriram uma oficina de produção de vasilhas de pedra com 2.000 anos de antiguidade na Galilea, onde eram fabricados recipientes similares ao usado por Jesus para converter a água em vinho segundo narra o Evangelho de São Jõao.


"O fato de os judeus neste momento usarem vasilhas de pedra por razões religiosas está bem documentado nas fontes talmúdicas e no Novo Testamento", explicou nesta quinta-feira Yardena Alexandre, arqueóloga do Instituto de Antiguidades de Israel, que destaca o material utilizado pelo seu caráter ritualístico.


As vasilhas eram fabricada com cerâmica durante o Império Romano, material que os judeus consideravam impuro e não apropriado para rituais de purificação pela sua possibilidade de ruptura, por isso começaram a fabricar utensílios com pedra.

"É possível que os grandes recipientes de pedra do tipo mencionado nas Bodas de Caná da Galilea fossem produzidos localmente", acrescentou Alexandre sobre este achado que "proporciona uma evidência fascinante do lugar central da pureza ritualística na vida quotidiana dos judeus galileos durante o tempo de Jesus".

As escavações começaram após os achados durante os trabalhos de construção de um centro esportivo e, segundo os especialistas, apontam que os residentes desta zona há 2.000 anos seguiam "escrupulosamente" as normas judaicas.

"A observância destas leis de pureza foi generalizada não só em Jerusalém, mas também em toda Judeia e Galilea pelo menos até a rebelião de Bar Kojba (contra o Império romano), que terminou em 135", precisou Yonatan Adler, diretor das escavações.

Comentário:

A Bíblia Sagrada é o documento com maior autoridade histórica da humanidade. Não existe nenhum outro registro histórico conhecido até então, que consiga reunir o grande número de critérios para se definir o nível de confiabilidade de um registro histórico, como os que a Bíblia reúne.

Em outras palavras, você não pode afirmar que confia na existência histórica de Platão, se não confiar também na existência do "homem" Jesus Cristo, ou do Apóstolo Paulo, autor de vários livros/cartas do Novo Testamento. Entender e reconhecer isso não depende da sua fé, mas do seu conhecimento acerca dos fatos históricos e do processo pelo qual a arqueologia define a confiabilidade de um documento.

A descoberta acima é apenas mais uma entre as dezenas que confirmam a historicidade dos relatos bíblicos.



Fonte: Efe
Comentário: Will R. Filho

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.