REAÇÃO: Áustria cria lei que proíbe traje muçulmano e obriga imigrantes a "aceitarem os valores do Iluminismo"

A Áustria aprovou uma lei polêmica que multará as mulheres que usam vestido islâmico cobrindo todo o rosto e tira benefícios sociais dos imigrantes que não conseguirem aprender o idioma.


"Aqueles que não estão preparados para aceitar os valores do Iluminismo terão que deixar o nosso país e a sociedade", diz o texto da lei, informou a agência RT .

No início deste ano, o projeto de lei atraiu milhares de manifestantes contra o governo e os parlamentares, mas foi aprovado por uma coalizão centrista no mês passado e agora foi assinado pelo presidente.


De acordo com a lei, as mulheres enfrentarão uma multa de € 150 (R$ 554) se elas usarem vestidos islâmicos, seja o niqab ou a burqa, em lugares públicos.

Além das multas, todos os novos imigrantes que decidam viver na Áustria terão agora que realizar um "curso de integração" de 12 meses, que inclui lições da língua alemã, caso desejem receber benefícios sociais.

A nova lei também torna ilegal que os recém-chegados distribuam materiais partidários, e os migrantes serão encorajados a se voluntariar antes de adquirir permissões de trabalho permanentes para prepará-los para a vida no local de trabalho.

Leia também: Governo proíbe aulas de Zumba por violar a "ideologia islâmica"

A tentativa da Áustria de integrar novos imigrantes veio em resposta à crise dos imigrantes que atingiu a maioria dos países europeus. Pelo menos 90 mil migrantes, principalmente de países de maioria muçulmana fora da Europa, chegaram à Áustria desde 2015.

Comentário:

A Áustria simplesmente exerce seu poder de soberania nacional para impor suas condições aos imigrantes que pedem asilo no país. Talvez, em outras circunstâncias geopolíticas e cultuais não haveria essa necessidade, mas diante da ameaça do terrorismo islâmico e a evidência doutrinária de expansão religiosa através da conquista de territórios, o país está mais do que certo de criar meios que visam ao menos minimizar esses riscos.

Não soluciona, mas contribui, pois deixa claro que os que desejam se integrar no país devem não apenas compreender, mas também respeitar a sua cultura. Simples assim.

Fonte: Heat Street
Comentário: Will R. Filho

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.