HOMOSSEXUALIDADE ANIMAL - Por que eles querem que você acredite?


É interessante o fato de atribuírem conceitos a animais, como se eles próprios pudessem tomar atitudes baseadas em ideias ou algum tipo de ideologia criada por eles mesmos. É exatamente isso que fazem ao afirmar que certas espécies, por se relacionarem com outras do mesmo sexo, são (ou se tornam) homossexuais.

            Vamos colocar as ideias no seu devido lugar?

            Quero começar a pensar com o seguinte questionamento:

Se um cachorro regurgita sua comida e logo em seguida come seu vômito, ou a fêmea mata e devora seus filhotes, devo tomar isso como referência de comportamento ao ponto de conceber a idéia de que posso praticá-lo, uma vez que também seria animal?

Acha um absurdo um questionamento como esse, certo? Ora, mas por que não tomamos estes e outros comportamentos “exóticos” como exemplos ao invés de apenas o suposto comportamento homossexual? Porque não é conveniente ou, natural, para nós humanos, e você consegue compreender isso, não é mesmo? Mas como chegou a esta conclusão, pensando? Avaliando e construindo uma opinião baseada num saber crítico, certo? 

Acompanhe com muita atenção:

Alguns dizem que é exatamente pelo fato do animal não raciocinar criticamente e apresentar o comportamento homossexual, que isto deve ser considerado natural e exemplo para nós, humanos, uma vez que partira de um ser vivo "semelhante", mas que não julga suas atitudes por uma ótica social culturalmente “forjada”, influenciada, manipulada (já que para esses ideólogos a cultura é a grande e exclusiva determinante da moralidade social), mas que é fruto da sua própria natureza, o que comprovaria então que a tal "homossexualidade animal" seria um comportamento espontâneo. A verdade, no entanto, é que este argumento é a prova fatal de uma grande contradição, por exemplo:

Pegando os exemplos que dei acima sobre o comportamento animal que não tomamos como exemplo de naturalidade simplesmente porque julgamos inconvenientes, isso nos mostra que:

...como humanos, não julgamos o comportamento pela simples existência dele, mas pela capacidade que temos em refletir se tal comportamento é, ou não, conveniente e proveitoso para nossa espécie.

 O que isso diz respeito aos animais? Que se um animal não pode emitir tal juízo, nunca poderá ter seu comportamento avaliado pela Ética e moral humana, pois o comportamento animal é exclusivamente reflexo de:

 a) fatores fisiológicos,
 b) fatores ambientais condicionantes e;
 c) fatores genéticos,

Ou seja; nunca de fatores morais.

Ainda não está claro? Vamos lá! O que você vê num cachorro macho, por exemplo, que monta em outro cachorro macho, não é fruto de uma ideia elaborada acerca de sexualidade, onde ele pode optar em realizar ou não aquela atitude, pois compreendera que seria bom, prazeroso, ruim ou agradável, etc, mas sim, a consequência de experiências instintivas, CONDICIONADAS (não elaboradas racionalmente), que lhe fizeram “perceber/reproduzir” aquela atitude como sendo necessária para firmar uma determinada “impressão” sobre o outro macho, e assim marcar seu domínio, bem como firmar relações de sobrevivência, poder, cooperativismo e adaptação, como é o caso de pelo menos outras 1.000,00 espécies.

Resultado, o comportamento que alguns veem como sexual é, na verdade, um comportamento exclusivamente SOCIAL, que se utiliza de relações (representações) sexuais (ou aparentemente...) como um veículo de comunicação e adaptação a determinadas condições do ambiente, entre as espécies (sem falar das confusões de sentidos). Ou seja, para deixar ainda mais claro: 

...o animal que apresenta comportamento homossexual está, na verdade, exercendo um papel social, uma encenação -- confusão de sentidos -- ou função necessária a um tipo de adaptação que visa atender os seus interesses e/ou do seu grupo. 

Sendo assim, o grande ponto da questão é: se eu defino este comportamento como homossexual (afetivo principalmente), eu é que, como ser moral, estou atribuindo ao animal um conceito e consequentemente um julgamento que não lhe pertence.  Faz sentido então atribuir sexualidade a um animal? Não! Ora, compreenda, a sexualidade é um CONCEITO moral que se aplica apenas aos seres humanos. Nós temos sexualidade porque a COMPREENDEMOS como tal, dando a ela configuração e SENTIDO. E não apenas isso, podemos inferir mudanças nos padrões comportamentais como consequência de nossos julgamentos. Ainda assim, isso não significa que estamos certos em tudo, justamente porque:

...se podemos mudar o padrão do nosso comportamento, estamos então sujeitos a errar em nossas próprias escolhas.

Quando atribuo um conceito de sexualidade ao animal, seja ele conceito heterossexual ou homossexual, estou na verdade aplicando, impondo, transferindo minhas impressões morais a uma criatura irracional que é dotada determinantemente de padrões instintivos. Então mais uma vez eu pergunto: podemos julgá-los moralmente? Claro que não, pois seus comportamentos se explicam e se resolvem instintivamente. Consequentemente, podemos dizer que certo animal é homossexual ou heterossexual? Também não, uma vez que a sexualidade é uma IDEIA ELABORADA acerca de si mesmo, animais não podem agir em acordo com este discernimento. Seus comportamentos são, portanto, o reflexo de padrões instintivos/genéticos, ambientais e circunstanciais, apenas, e imunes ao crivo da Ética humana!

Deu para entender?

Então como podemos definir as relações sexuais entre os animais, incluindo as que aparentam homossexualismo, já que não podemos atribuir AOS ANIMAIS uma definição conceitual acerca de sexualidade? 

Ora, como relações sexuais, naturalmente, porém, de caráter estritamente instintivos, "visando" uma relação de convívio, adaptação e reprodução entre as espécies onde o indivíduo é beneficiado socialmente, considerando-se para isso a possibilidade de simulações em face as circunstâncias/estímulos do meio, podendo gerar também a partir disso não só um comportamento diferente do esperado, como uma confusão de sentidos.

Mas por que o esforço para atribuir o conceito de homossexualidade aos animais?

Simples! Ao pensar que nós humanos também somos (somos?) animais, essa “lógica” diria que é natural, como animais, ter o mesmo comportamento, pois ele não seria fruto de uma condição comportamental humana (como diz esta pesquisa, AQUI), mas sim de uma condição biológica. Seria uma maneira de distorcer e delegar a última importância a moralidade humana, reduzindo nossa capacidade de julgamento crítico para fazer prevalecer os “instintos”. Tal pensamento é decorrente, dentre outras coisas, das teorias de que nós humanos somos movidos por instintos, sendo então natural obedecer a estes “instintos”.

Este argumento é um perigo, porque abre precedentes para que tudo associado ao comportamento animal possa ser tomado como “padrão instintivo” possível de ser absorvido como exemplo de “naturalidade” para nós, humanos. Ou seja, todos os outros comportamentos típicos da natureza animal seriam praticados com normalidade, pois estariam sendo aceitos também como natureza humana. Isso em nosso contexto inclui o incesto, canibalismo, bestialismo/zoofilia, agorafilia, pedofilia, orgias e até o estupro! Ora, não são estes comportamentos típicos da natureza animal? Se aceitarmos o argumento de que a homossexualidade é “natural” para nós humanos apenas por estar (está?) presente no comportamento animal, todos estes outros deverão fazer parte de nossa natureza, caso contrário esse argumento será racionalmente insustentável. Isso significa que mesmo que o homossexualismo tivesse "sentido" entre os animais, ainda assim, seria contraditório servir de "alinhamento" com os humanos.

Finalmente, ao compreender que NÃO SOMOS determinados por instintos, fica fácil perceber a diferença do que significa padrão comportamental humano e animal. Natureza animal e natureza humana, no que se refere ao modo de avaliar a vida e a condição em que cada uma se apresenta. Neste campo das “naturezas”, o diálogo se estende e vai muito além de um pequeno e resumido texto como este. Penso que a única forma de preencher os muitos “vazios” deixados será respondendo aos comentários dos leitores, por isso, se você tem uma opinião crítica, dúvida, faça seu comentário logo abaixo e será um prazer pensar e aprender junto com você.

Abraço e até a próxima...

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.