MMA, ESPORTE OU VIOLÊNCIA LEGALIZADA?


O MMA é um dos esportes de maior sucesso na atualidade e tem como sua maior marca o UFC. Também conhecida como Vale-tudo, a luta na verdade não vale-tudo, pois existem regras que visam proteger a integridade dos atletas. Veja abaixo a lista de proibições praticadas no UFC, volto em seguida.

Não pode:


  • Dar cabeçada
  • Qualquer tipo de golpe que coloque o dedo no olho
  • Morder
  • Cuspir no adversário
  • Puxar os cabelos
  • Agarrar pela boca
  • Qualquer tipo de ataque à região genital
  • Manipular juntas pequenas (dedos, por exemplo)
  • Golpear com o cotovelo de cima para baixo
  • Golpear a espinha ou parte de trás da cabeça
  • Golpear os rins com os calcanhares
  • Qualquer golpe na garganta, incluindo, sem limitação, agarrar e
  •  beliscar, torcer a pele ou carne
  • Agarrar a clavícula
  • Chutar a cabeça de um adversário caído
  • Aplicar joelhadas na cabeça de um adversário caído
  • Pisar em um adversário caído
  • Usar conduta antidesportiva que possa causar danos ao
  • adversário
  • Arremessar um oponente para fora da área de luta
  • Desrespeitar as instruções dadas pelo árbitro
  • Arremessar o adversário contra a lona sobre sua cabeça ou coluna
  • (bate estaca)

    Voltei. Como podem observar, as regras acima são proibições e, portanto, não vale-tudo como alguns imaginam. Além dessas medidas, os árbitros são altamente capacitados para interromper a luta no primeiro sinal de rendição do atleta ou incapacidade técnica de continuar na luta, mesmo quando o próprio atleta pense o contrário. Vale lembrar que o árbitro está autorizado e tem o poder de interromper a luta mesmo sem a rendição do lutador, isso garante um julgamento criterioso e imparcial na luta. Na minha opinião esse é a maior diferença do MMA sob o UFC, pois a participação precisa dos árbitros é crucial, não apenas nas decisões dos combates, mas principalmente na integridade do atleta.

    O grande sucesso do MMA sob a marca UFC se deve a versatilidade que o esporte oferece. Diferente de outras modalidades de lutas com inúmeras e cansativas interrupções, o MMA apresenta uma variedade de golpes, onde a possível queda do atleta representa apenas o começo da luta, e não necessariamente o seu fim. O MMA permite que o atleta faça uso de todas as suas habilidades, pernas, braços, cotovelos, joelhos, tornando a diversidade de golpes um espetáculo, fazendo a luta dinâmica e imprevisível a todo momento.

    O Jiu-Jítsu deu à modalidade a técnica que faltava no chão, fazendo com que a luta se mantenha em ritmo acelerado e nisso o Brasil é Mestre, pois não apenas revelou a arte, como detém os maiores lutadores do esporte.

    Atualmente o UFC despertou o interesse da mídia e o público brasileiro tem feito sua parte para difundir o MMA no Brasil, afinal, somos (ou já fomos) campeões mundiais da modalidade em várias categorias, a exemplo de Anderson Silva, José Aldo, Lyoto Machida, Rodrigo Minotauro, Maurício Shogun, Júnior Cigano, Renan Barão, Vítor Belfort, dentre outros brasileiros que são referências mundiais do esporte e prometem um futuro espetacular.

    Me admira o profissionalismo que existe entre os atletas, respeito e consideração, contrastando com a imagem muitas vezes chocantes de golpes entre os lutadores. O que vemos no octógono não é uma briga de rua legalizada, explorando a violência e o ódio, mas uma luta baseada em técnicas de artes marciais, tais como o Taekwondo, Muay Thai, Jiu Jitsu, Karatê, Judô e outras, algumas milenares, cujas filosofias têm como base a disciplina, respeito e a integridade. Por isso acredito que o MMA pode ser um novo caminho para a valorização das artes marciais e um meio de levar ainda mais a imagem positiva do Brasil pelo mundo.

    Abraço e até a próxima...

    COMPARTILHAR

    Edição:

    Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.