SUA VIDA NÃO PASSA DE UM RETRATO?



No dia-a-dia quase tudo é paisagem; os passageiros do ônibus, gente que nos passa nas ruas por toda a cidade, as árvores que sofrem no caos urbano, as crianças drogadas nas calçadas e sinais;

No dia-a-dia quase tudo já é passado; o escândalo político matinal, os assassinatos dos becos, do tráfico das favelas às avenidas luxuosas das capitais lado-a-lado às notícias do esporte, ou melhor, do futebol;

No dia-a-dia de uma era escrava do ideal de “evolução” quase tudo é interesse; de ser o melhor, o maior. De ser “alguém” mesmo que isto não expresse o real querer, mas ser algo, mesmo que sem saber o quê;

Nestes dias de vida programada quase tudo é planejado, a hora de dormir, de vestir ou sair, hora até mesmo para sentar no vaso do banheiro, hora de ser você e outra de ser quem eles querem que seja alguma coisa qualquer;

Neste dias de vida em que quase tudo é paisagem, somos pinturas molduradas a desejos, mitos, crenças desconfiguradas. Retratos de um eu esquisito pendurado nas paredes do tempo, alguns sendo mais admirados, outros esquecidos as traças;

Nestes dias de vida enquadrada, pensamos ser os artistas de nossa história, descobridores, estudiosos, sabedores na verdade de que um dia após o outro é nada mais que hora a pós hora. Sim, isso é o que em certos momentos em verdade apenas sobra...

Mas em dias em que a vida quase não é percebida em sua essência, há os que tentam encontrar sua verdade diária, nas paisagens que vêem na expressão das faces, nos feitos do homem, no porque do passar das horas;

Em tempos de vida moldurada, há os que rasgam suas telas, desprendem-se das paredes, colunas de conceitos que sustentam molduras curvas, pendentes, quadradas, idéias nem sempre vivas, em sua maioria apenas telas pintadas...

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.