Pedofilia é doença? Entenda a estratégia do ativismo pedófilo por trás dessa mentira teórica

Seguindo a estratégia dos grupos que defendem e promovem o estupro de crianças como uma "orientação sexual", a Globonews, do grupo Globo, fez uma matéria comparando diabéticos e usuários de drogas a pedófilos.


A pedofilia é tratada como uma "doença" tanto pelo Manual de Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais (DSM), como pela Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados (CID). O que poucos percebem, no entanto, é que tais classificações não representam qualquer consenso, muito menos uma verdade absoluta sobre o tema na comunidade científica.

A concepção de doença mental ou transtorno é mais uma necessidade de classificação do que um dado de conhecimento objetivo.


Quando falamos de "doença mental" a divergência já começa pelo termo "mental". O que é a mente? Como é possível definir o conceito de "doença" acerca de algo que não compreendemos plenamente? Cérebro é uma coisa. Este é um dado objetivo. A mente é outra coisa. Ela é um conceito e, portanto, um dado subjetivo.


O que temos, na prática, em relação ao conhecimento psicológico e psiquiátrico, são classificações que visam nortear o trabalho de quem lida com o comportamento humano, mas não últimas verdades acerca do que é ou não uma doença - da mente -, de fato.

Desde 1904, quando o psiquiatra alemão Emil Kraepelin desenvolveu o primeiro sistema diagnóstico dos transtornos psiquiátricos que viria até hoje ser o principal fundamento da DSM, pouco evoluímos na compreensão das verdadeiras causas das assim chamadas "doenças mentais". A evolução se deu muito mais no controle dos sintomas, proporcionado pelo avanço tecnológico que permitiu entender melhor os mecanismos fisiológicos, por exemplo, da ansiedade (antiga neurose), depressão (melancolia) e vários outros quadros do comportamento e emoções humanas, ampliados pela endocrinologia e neurologia.

Entretanto, apesar do esforço em tentar enquadrar a complexidade do comportamento/mente humano sob a lógica do modelo biomédico de saúde, ainda não podemos dizer com certeza que sabemos a causa, por exemplo, da esquizofrenia, da psicose ou depressão. Caso o leitor não esteja familiarizado com o assunto, talvez fique confuso nesse momento.

"Não descobrimos a causa dessas e outras doenças mentais?", pode se perguntar. Resposta: ainda estamos tentando chegar num consenso sobre o que é "mental" (risos).

Não podemos confundir tratamento de sintomas com o conhecimento da doença. A psiquiatria moderna é capaz de tratar muitos sintomas, e controlá-los, mas pouco sabe sobre as causas das "doenças mentais". Temos muitas teorias, mas poucas conclusões.

É por essa razão que geralmente costumamos dizer que a causa do transtorno "A", "B" ou "C" é "multifatorial", ou causado por fatores "genéticos, circunstanciais e ambientais". Essa é muito mais uma fórmula de explicação diagnóstica para quase tudo o que não compreendemos plenamente no campo da saúde mental e do comportamento humano, do que a definição de uma doença, de fato.

Thomas S. Szasz, psiquiatra húngaro ex-professor da Universidade de Nova York, em "Ideologia e Doença Mental" (1977) faz diferença entre doença cerebral e mental, afirmando que é um problema "epistemológico" confundir a relação entre o que é "mental" com o "físico", mas também com o que é moral e ético. Com base nisso, ele questiona:

"Qual é a norma da qual o desvio é considerado uma doença mental? Essa questão não pode ser respondida facilmente, mas qualquer que seja a norma, podemos estar certos de uma coisa: esta deve ser estabelecida em termos de conceitos psicossociais, éticos e legais.".

Em outras palavras, Szasz, para quem "doenças mentais não existem" e que tal conceito não passa de um "mito", está afirmando que há questões típicas do comportamento e da própria índole humana que devem ser tratados como problemas de ordem moral, ética, existencial. Diferentemente de um desvio orgânico que pode ser observado, por exemplo, em uma sífilis cerebral, o "desvio de comportamento" pode ser muito bem entendido sob a perspectiva da moralidade.


"Sugiro que a ideia de doença mental esteja agora sendo trabalhada para obscurecer certas dificuldades que no presente possam ser inerentes - não que sejam irremovíveis - às relações sociais das pessoas. Se isso é verdade, o conceito funciona como um disfarce: em vez de chamar atenção para necessidades, aspirações e valores humanos conflitantes, o conceito de doença mental produz uma 'coisa' moral e impessoal - uma 'doença' - como uma explicação para problemas existenciais.", diz o autor.

Com base nisso, ele afirma que o "mito" da doença mental está sendo criado para explicar e mascarar problemas da mesma forma que alguns utilizaram a religião no passado:

"A crença na doença mental, como algo diferente do problema do homem em conviver com seus semelhantes, é a própria herdeira da crença em demônios e feitiçaria. Assim, a doença mental existe ou é 'real' exatamente no mesmo sentido no qual as feiticeiras existiam ou eram 'reais'."


Autores modernos dão suporte ao conceito de Thomas Szasz


Na sua época, Szasz não foi o único autor a questionar o excesso de classificação diagnóstica promovido pela psiquiatria, sendo em grande parte influenciada pelos interesses comerciais da indústria farmacêutica (como é até hoje). Atualmente não é diferente. Donnie Burstow, psicoterapeuta e professora da Universidade de Toronto, no Canadá, conhecida por seu pensamento "antipsiquiátrico", também vai na mesma linha de raciocínio:

"Eu acredito que as pessoas têm ansiedade? Acredito que as pessoas têm compulsões? Claro. Mas acredito que esses sentimentos são normais do ser humano na forma de experienciar a realidade. (...) A psiquiatra entende coisas como biológicas quando elas não o são. Quando dizemos 'saúde mental', isso significa que os problemas das pessoas têm relação com doenças", disse ela em uma matéria da BBC Brasil em junho desse ano.

A renomada terapeuta familiar Merillyn Wedge, comentando sobre a incidência de diagnósticos do "Transtorno de Atenção e Hiperatividade" (TDAH) nos Estados Unidos e na França, revelou em um artigo publicado no Psychology Today em 2012 como o que para muitos é uma "doença" pode ser, na verdade, apenas fruto de uma dinâmica social e, portanto, de ordem ética e moral:

"...faz todo o sentido para mim que as crianças francesas não precisem de medicamentos para controlar o seu comportamento, porque aprendem o auto-controle no início de suas vidas. As crianças crescem em famílias em que as regras são bem compreendidas, e a hierarquia familiar é clara e firme. Em famílias francesas, como descreve Druckerman, os pais estão firmemente no comando de seus filhos, enquanto que no estilo de família americana, a situação é muitas vezes o inverso", disse ela.

Pedofilia e a tentativa moderna de diferenciar e classificar o estupro de crianças como uma "doença"


Como acabamos de observar (resumidamente), nem mesmo temas já considerados consolidados na área psiquiátrica possuem consenso quanto ao conceito de "doença mental" ou "transtorno de comportamento". Grande parte desses diagnósticos, especialmente sobre os que dizem tratar os "transtornos de humor" são, na verdade, meios de lidar com conflitos de ordem social, existencial ou mesmo cultural.

A cultura produz conflitos diversos ao ser humano, afetando sua vida biopsicossocialmente. Entender o contexto onde esse indivíduo vive sua realidade é muito mais urgente do que controlar os sintomas classificados como "doenças mentais", muito embora a definição dos sintomas seja algo necessário.

A pedofilia não é diferente disso. Se trata de um comportamento sexual e, portanto, está sob a esfera da ética, da moral e das normas sociais de julgamento, por essa razão é considerada um crime. A tentativa de diferenciar o que é "pedofilia" e "pedofilia-doença", ou "preferência sexual pré-púbere" ou "abuso sexual infantil" é nada mais do que uma forma de fazer com que isso deixe de ser crime, e também imoralidade, para tornar aceitável o estupro de crianças e adolescentes, primeiramente moral e depois fisico.

Grande parte dos argumentos postos hoje pela mídia são frutos de um artigo publicado em 2015, por Tillmann H.C. Kruger, professor de psiquiatria da Escola de Medicina de Hannover, na Alemanha, onde ele e seus colaboradores fizeram uma série de cogitações, com base em outros estudos, sobre as possíveis causas da pedofilia, conceituando ali suas supostas diferenças. O artigo trata esse comportamento como uma "preferência sexual" como qualquer outra:


"No novo DSM-5 a pedofilia é des-patologizada pela diferenciação entre a preferência sexual para crianças pré-púberes (ou seja, pedofilia) e a desordem em caso de fatores adicionais. Esses fatores incluem o sofrimento e comprometimento significativo por fantasias e impulsos, ou a atuação em nível comportamental, incluindo o consumo de pornografia infantil e/ou cometer delitos práticos", diz um trecho.

Em outras palavras, quando o pedófilo não comete abuso sexual e não se sente angustiado por não poder realizar seu desejo, por exemplo, através de pornografia infantil, ele - não é considerado doente -, mas sim alguém que possui apenas uma - "preferência sexual para crianças". Desse modo, os autores diferenciam o "abusador" do "pedófilo", numa clara intenção de tratar como "doente" o abusador e não o pedófilo, de fato.

O "X" da questão para o leitor entender esse jogo de conceitos (proposital) está na possibilidade da relação - consensual - da criança com o pedófilo. Isto é, se a criança desejar o relacionamento, então o "sexo" (estupro) não é considerado abuso e o pedófilo poderá satisfazer seu desejo. Esse é o motivo pelo qual militantes da ideologia de gênero e outras vertentes majoritariamente de "esquerda" que pregam o relativismo moral defendem a "autonomia sexual da criança".

Obviamente, dado à evidente imaturidade emocional, psicológica e física da criança, é um erro brutal afirmar que poderá haver "consenso". No máximo, uma relação manipulada pelo abusador que faz do frágil entendimento infantil, carente de aprendizado, um meio de fazer a criança pensar que está realizando sua própria vontade quando, na verdade, está servindo de cobaia nas mãos do(a) estuprador(a).

A intenção deles (muitos são meros idiotas úteis servindo como massa de manobra) é preparar o terreno para o momento em que a pedofilia começar a deixar de ser vista como uma "doença", para ser encarada como uma "orientação sexual". Historicamente, o ativismo pedófilo pretende seguir o mesmo caminho que seguiu o ativismo LGBT, motivo pelo qual muitos movimentos homossexuais procuraram se dissociar do ativismo pedófilo a partir da década de 90.

Resumidamente, portanto, essa é a estratégia do ativismo pedófilo em ordem cronológica de etapas:


01 - Fazer diferença entre pedofilia e abuso sexual


Nessa fase a intenção é mostrar que o abuso sexual infantil é cometido por qualquer pessoa, enquanto que o pedófilo é alguém que possui atração sexual exclusiva por crianças. A ideia implícita é semear a - futura - noção de "orientação sexual" e até mesmo de "identidade de gênero" (adultos afirmando que se identificam como crianças), fazendo a sociedade acreditar que se trata de algo imutável;

02 - Reconhecer a pedofilia como um transtorno sexual e, portanto, uma doença, promovendo ações de combate ao "preconceito"


Estamos nessa fase. A intenção é fazer com que a sociedade passe à enxergar o pedófilo como alguém digno de "pena" e compreensão, uma vez que estaria "doente" e impossibilitado de mudar sua condição, visto não ter "cura".

03 - Promover debates nas Universidades, escolas e na grande mídia sobre o fato de ser ou não a pedofilia uma doença ou uma orientação sexual, variante "natural" da sexualidade humana


Esta é a fase de "acomodação" social para que se torne aceitável a prática sexual entre adultos e crianças. A sociedade em geral já estará manipulada e os contraditórios reprimidos pelo "politicamente correto". É nessa fase que surgirão os primeiros casos "polêmicos" patrocinados pela grande mídia, com o intuito de lançar possibilidades e dúvidas no consciente coletivo;

04 - A exclusão da pedofilia das classificações diagnósticas psiquiátricas e psicológicas.


Esta é a última fase, quando a sociedade já foi "acomodada", o conhecimento científico prostituído e o "politicamente correto" transformado em lei, tanto na forma de regulamentação e resoluções nos Conselhos Profissionais médicos e psicológicos, como possivelmente na legislação civil, quando o cidadão poderá até sofrer punições por discordar das medidas.

O grupo Globo e a promoção da pedofilia em matéria que compara abuso infantil com diabetes e dependência química.


Apesar de não haver qualquer estudo que - prove - ser a pedofilia causada por fatores neurológicos, genéticos, acidentes (alguns dizem que até lesões no cérebro provocadas por pancadas na cabeça influenciam), por déficit cognitivo (outros dizem que ter um "baixo QI" pode ser uma influência) ou circunstâncias comuns de qualquer natureza, a Globonews fez uma matéria, publicada no portal G1, onde tratou a pedofilia como uma doença.

Em tom dramático, a manchete diz: "Pedófilo relata drama: 'Doença tem que ser tratada como se tratam as drogas'", colocando o potencial estuprador de crianças como alguém vivenciando um conflito digno de pena. Logo no início da matéria está escrito:

"A pedofilia é uma doença crônica, que não tem cura. Os médicos fazem uma comparação com a diabetes e o alcoolismo, que exigem cuidado redobrado e tratamento por muito tempo, ou talvez por toda a vida. Nesse sentido, a internet surgiu como um complicador, tanto para os pacientes quanto para os profissionais que fazem esse acompanhamento."

Pelos motivos já resumidos acima, tanto os supostos "médicos" (que não foram citados na matéria) como o jornalismo tendencioso da Globo estão - errados - cientificamente. Ao comparar diabéticos com usuários de drogas a matéria faz uma especulação grotesca baseada em dados "fantasmas", visto que não há provas biológicas para o surgimento da pedofilia, algo bem diferente das patologias citadas.

Por fim, o que é a pedofilia e como deve ser tratada?


A pedofilia é um ato imoral e cruel contra crianças configurado pelo assédio e abuso sexual psicológico e físico. A ideia de "preferência sexual" ou "orientação sexual" é uma - invenção clínica para classificar um tipo de - crime - que é de caráter moral contra a ordem social estabelecida pela sociedade.

Os motivos pelos quais uma pessoa pode se tornar pedófila são vários, mas nenhum deles é consequência de fatores biológicos ou alheios à vontade do sujeito, sua consciência sobre seus atos e desejos. Abusos sexuais sofridos na infância podem estar relacionados, mas até isso não justifica e não é suficiente para caracterizar a repetição do abuso na fase adulta como uma "doença", mas sim, no máximo, como uma consequência de um aprendizado e traumas infelizes.

Por essa razão, sendo um componente de conotação comportamental, social e moral, onde o sujeito não é "vítima" de uma condição patológica, mas sim plenamente responsável por suas atitudes e desejos, o tratamento da pedofilia - não existe - na ordem médica, farmacológica. Por isso também dizem não haver "cura" ou ser de difícil "tratamento". Fármacos podem interferir na compulsão, "controlando" em parte as emoções decorrentes do quadro psicológico, mas não nos motivos delas existirem.

A pedofilia então pode ser "tratada" no campo psicológico mediante psicoterapia, por psicólogos, enquanto o sujeito que se identifica como tal não chega a cometer abusos sexuais. Nesse caso, a psicoterapia visa auxiliar o indivíduo na compreensão desses desejos, para que ele possa ter a possibilidade de ressignificar suas preferências e identificar o motivo de ter desenvolvido esse comportamento. Se trata, portanto, de um processo terapêutico como qualquer outro, porém, focado nesse tipo de demanda.

Se o indivíduo comete o abuso sexual, psicológico ou sexual, a pedofilia deve ser tratada como crime e o pedófilo criminoso preso em cadeia comum. Qualquer coisa além disso é especulação teórica.



Por: Will R. Filho

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima
14 de novembro de 2017 07:23

eu estava gostando do site.. essa é a segunda matéria do site que leio, começou bem o texto, estava achando interessante de verdade pra pensar algo sério, até começar a viajar na batatinha, por questões ideológicas pessoais suas, e que são bem preconceituosas, aliás.. perdendo a seriedade do artigo.. uma pena.. pois poderia ter sido uma boa oportunidade de discussão sobre um assunto tão grave e sério como a pedofilia na atualidade. Enfim, não quero brigar com ninguém, mas pedir relfexão e quem sabe retomar o assunto com mais seriedade e sem afetações político-ideológicas. Já estamos por demais atolados disso nas redes sociais. Abraços.

Resposta
avatar
15 de novembro de 2017 10:16

Olá, Drix! Todos os comentários são bem vindos, entretanto, é interessante que ao fazer uma crítica construtiva consiga pontuar o que discorda. De preferência, que contribua com seu conhecimento, oferecendo uma perspectiva diferente, mesmo que resumida.

Pensamos que não há "questões ideológicas" no texto, muito menos preconceito. Há o conhecimento de fatos e um conceito sobre o assunto. Mas, se você discorda, aponte onde está a falha, pois assim teremos a oportunidade de avaliar e corrigir, se necessário.

Forte abraço.

Resposta
avatar
16 de novembro de 2017 22:20

Boa noite, Drix, eu gostaria que você explicasse exatamente onde é que eles viajaram na batatinha. Eu achei a matéria sensacional e gostaria de verdade de entender o teu ponto de vista.
Abs.

Resposta
avatar
16 de novembro de 2017 22:21

Parabéns pela matéria tão bem escrita e esclarecedora!

Resposta
avatar
Raquel Z.
17 de novembro de 2017 08:45

Dizer que majoritariamente militantes da "esquerda" defendem a "autonomia sexual da criança", colocando como propagadores da "ideologia (sic) de gênero" que querem fazer a população aceitar a pedofilia como orientação sexual ou identidade de gênero onde o adulto pode afirmar que se identifica como criança, sem nem ao menos apontar fontes que evidenciam isso, é sim uma manifestação ideológica por parte de quem escreveu e tão tendenciosa quanto a matéria citada no texto.
Quando se fala de identidade de gênero e orientação sexual num texto sobre pedofilia corrobora-se com um preconceito antigo que coloca no mesmo patamar pedófilos e homossexuais, ainda que não explicitamente, o que é bastante desonesto.
E o uso do termo "ideologia de gênero" demonstra a intenção pejorativa e de descaracterização, desvirtuando o debate e reflexão sobre a identidade de gênero, numa tentativa de fazer crer que há uma manipulação por parte de quem estuda as questões de gênero, querendo acabar com a moral. Olha o teor dramático criticado no texto sendo usado como artifício aqui para convencimento do leitor.
Uma página que se chama Opinião Crítica (temos aqui uma contradição, já que o termo opinião está ligado ao grego doxa que significa "senso comum" contrapõe a crítica, esta embasada em estudos metodologicamente) deveria ter mais cuidado, apontando diversas fontes. O texto ficou muito mais na opinião do que na crítica de fato. O assunto é de extrema importância, eu não tenho embasamento suficiente pra dizer se pedofilia é doença ou não, mas eu trato sim como crime, e abri o texto com a intenção de aprofundar o assunto, mas infelizmente não colaborou tanto assim.
Na maior parte do texto, só vi especulações e não fatos científicos e embasados. Devo concordar com a Drix, pois tive a mesma sensação de "viagem na batatinha".

Resposta
avatar
17 de novembro de 2017 14:26

É só olhar para o cenário político e vê o que a esquerda e a direita defendem.Não precisa ser nenhum cientista político pra notar que as pautas de esquerda tem sua anuncia contra o que é moral e ético se tratando de família, e aparelhamento do Estado no que tange se manter no poder.
Gostei bastante do conteúdo da matéria. Muito bem explicado. Agora, deixar de levar a matéria a sério pelo simples fato de uma citação política, na qual não estava sendo colocado nenhuma mentira, é no mínimo muita infantilidade!
Realmente tem gente que só quer entender aquilo que lhe convém.

Resposta
avatar
17 de novembro de 2017 19:06

Olá Raquel Z,

Usar o termo "majoritariamente" foi apenas um meio para não dizer TODOS, visto que muitos que se identificam como "esquerdistas" não sabem, de fato, o que tal - ideologia - realmente defende, ou apenas parte dela.

Quem diz não ter relação alguma a ideologia de gênero, por exemplo, com às ideologias de "esquerda", é porque não conhece o histórico dessa ideologia e seus pensadores. Não seria esse o seu caso?

Leia "A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado", assinado por Engels, e conheça a base de onde autores como Michel Foucault, para quem a sexualidade não passa de um "dispositivo social", escreveu a "Microfísica do Poder", servindo ele mesmo como referência para outros da sua época e da atualidade.

Ou, se preferir, leia "Heros e Civilização", de Herbert Marcuse, outra grande referência - comunista - nas academias. Esses são apenas dois exemplos do que atualmente é uma - moda - nas universidades, cuja orientação de - esquerda - é fonte para o que hoje chamamos de "ideologia de gênero".

Leia também o texto abaixo e veja se os autores citados eram identificados como de "direita" ou "esquerda":

http://www.opiniaocritica.com.br/2017/08/a-origem-da-ideologia-de-genero-autores.html?showComment=1510311991135#c2872876988748509294

Sobre o fato de um texto sobre pedofilia citar o ativismo homossexual, isso é um fato e não invenção. Como escrito, só a partir de 90, após pressões pela abolição de movimentos e partidos que defendiam abertamente a pedofilia na Europa, o movimento homossexual tratou de se afastar dos símbolos e atividades que associavam as duas bandeiras.

Leia esse texto:

http://www.opiniaocritica.com.br/2017/06/toda-forma-de-amor-vale-pena-para-ideologia-de-genero.html?showComment=1510955355517#c8927077773286791294

Essa associação não está na prática, mas sim no viés POLÍTICO. Se trata de uma associação que visa a - liberação sexual - em vários aspectos e não na afirmação de ser a homossexualidade e pedofilia a mesma coisa. Ficou claro?

Sobre o título do site, "Opinião" e sua etimologia. Já ouviu falar em "translação semântica"?

Por fim, pensamos que os fundamentos estão no texto, não apenas pelos autores citados, como pelo argumento lógico. No mais, cada um decide aceitar ou compreender da forma como achar melhor.

Abraço.

Resposta
avatar