Coagulação sanguínea contraria a Teoria da Evolução e confirma relatos da Bíblia


Faz um bom tempo, tive de me submeter a um procedimento cirúrgico bem simples. Mas, mesmo tais necessitam de exames pré-operatórios, a exemplo do coagulograma (ou teste de coagulação, se preferir).

A razão do exame é identificar se a pessoa tem nível normal de coagulação do sangue, podendo, portanto, se submeter a sangramentos moderados sem risco à vida do paciente.


Conforme sabemos, a coagulação é o processo por meio do qual o sangue líquido se torna sólido nos casos de sangramento, para evitar que a hemorragia leve o organismo à morte.

O que ocorre é que, sempre que uma pessoa sofre um corte, ou seja, sempre que há rompimento de um vaso sanguíneo, as plaquetas do sangue, as proteínas da coagulação, entre outros elementos, entram em ação para estancar o sangramento após um tempo, promovendo a criação do coágulo.

O que poucas pessoas sabem é que este processo de coagulação é extremamente complexo, funcionando como uma reação em cadeia, em que o processo ativado pelas plaquetas libera proteínas (denominadas fatores de coagulação) que iniciam uma série de reações químicas.

Há doze tipos de proteínas envolvidas na coagulação. Elas são nomeadas apenas numerando-as da seguinte forma: Fator I, Fator II, e assim por diante, até que chegamos ao Fator XII.

A ativação do Fator I é que leva à ativação do II, da mesma forma que a ativação do II leva à do III, e assim por diante, até que tenhamos o coágulo.

Sem qualquer desses fatores, não haverá coagulação e a pessoa sangrará até a morte.

Existe um distúrbio genético (e hereditário) em que certas pessoas nascem com deficiência na atividade do Fator VIII ou IX. É a chamada hemofilia, que se divide no tipo A (problema no fator VIII) e B (Problema no fator IX). Essas pessoas tem a atividade desses fatores bastante reduzidas, por isso exigem cuidados especiais.


Você pode está-se perguntando agora o que tudo isso tem a ver com a evolução? Ora, o processo de coagulação no ser humano contém o que chamamos de complexidade irredutível. Não só os doze fatores são essenciais, mas também têm de ocorrer em uma ordem específica.

Ou seja, um processo de coagulação seria absolutamente inútil com apenas um a menos dos doze fatores, pois não desembocaria no coágulo. Em outras palavras, qualquer estágio menos evoluído do processo de coagulação seria inviável em um ser vivo, pois ele seria um fortíssimo candidato a sangrar até a morte.

Dessa maneira, a ideia de que um processo evolutivo possa fazer com que organismos menos complexos ganhem grande quantidade de complexidade por um processo puramente natural encontra aqui mais um obstáculo instransponível para as suas afirmativas.

Na lógica do neo-darwinismo (mutação por acaso mais seleção natural), quaisquer versões menos complexas desses sistemas seriam automaticamente descartadas pelo processo da seleção natural, já que não trariam qualquer função competitiva.

A explicação mais plausível é mesmo a que que os organismos foram criados já complexos, de acordo com seus grupos genéticos, tal como preconiza as Escrituras Sagradas do Cristianismo.


Por: Dr. Tassos Lycurgo

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima