A falsa liberdade na era digital - Até que ponto sua opinião está sendo manipulada?


Nas últimas semanas, a comunicação social de todo o mundo ficou saturada de histórias sobre como a tecnologia está destruindo a política. Em autocracias como a China, o receio é de estados Big Brothers ultrapoderosos, como o do 1984 de George Orwell. 


Em democracias como os Estados Unidos, a preocupação é que as empresas de tecnologia continuem exacerbando a polarização política e social, facilitando a disseminação da desinformação e criando "bolhas de filtro" ideológicas, levando a algo parecido com o Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley.


Na verdade, ao trazerem uma convergência entre democracia e ditadura, as novas tecnologias tornam impossíveis essas duas visões distópicas. Mas isso não significa que não haja nada a temer.

Grande parte da cobertura do 19.º Congresso Nacional do Partido Comunista da China (PCC) centrou-se na consolidação do poder do presidente Xi Jinping. Os observadores alertaram para o fato de ele estar criando uma ditadura da era da informação, na qual as tecnologias lhe permitiram reforçar a sua própria autoridade em vez de trazerem a liberdade esperada aos 1,4 mil milhões de cidadãos da China.

Ao fornecer ao governo informações altamente detalhadas sobre as necessidades, os sentimentos e as aspirações dos chineses comuns, a internet permite que os líderes da China previnam o descontentamento. Por outras palavras, eles usam agora os Big Data (grande volume de dados), em vez de força bruta, para garantir a estabilidade.

E o volume de dados é realmente grande. Mais de 170 milhões de câmaras de vigilância de reconhecimento facial acompanham cada passo dado pelos cidadãos. Um sistema de segurança com inteligência artificial pode detetar suspeitos criminais enquanto passeiam de bicicleta na margem de um lago ou compram bolinhos a um vendedor ambulante, avisando imediatamente a polícia.

As câmaras de vigilância de dados alimentam o banco de dados de "crédito social" da China, onde o regime compila grossos arquivos sobre a capacidade de crédito, os padrões de consumo e a fiabilidade geral.

O PCC está também usando a tecnologia para gerir as suas próprias fileiras, tendo desenvolvido dezenas de aplicações para comunicar com os membros do partido. Enquanto isso, bloqueia algumas das características de capacitação da tecnologia: obrigando todas as empresas de tecnologia a terem os seus servidores na China, ele controla eficazmente a censura a partir de dentro.


O impacto da tecnologia na política americana tem sido ainda mais visível, mas é analisado em termos de mercado e não de estado. Uma das histórias que mais tem chamado a atenção tem sido o papel que as "notícias falsas" ["fake news"] desempenharam no resultado das eleições presidenciais do ano passado. O Facebook admitiu que 126 milhões de americanos poderão ter visto notícias falsas durante a campanha.

Mais recentemente, o conselheiro especial Robert Mueller, que está dirigindo uma investigação sobre se a campanha do presidente dos EUA, Donald Trump, conspirou com a Rússia na interferência desta nas eleições de 2016, acusou o diretor da campanha, Paul Manafort, de 12 delitos, incluindo "conspiração contra os Estados Unidos" pelas suas ações antes da campanha.

Um assessor de política externa da campanha Trump, George Papadopoulos, também foi indiciado por mentir ao FBI sobre reuniões com pessoas intimamente ligadas ao governo russo durante a campanha, embora ele já se tenha declarado culpado e tenha vindo a cooperar com os investigadores desde o verão.

Mas além destes desenvolvimentos bombásticos existe uma preocupação mais abrangente sobre a capacidade das empresas de tecnologia de controlarem a informação que as pessoas recebem. Com os algoritmos secretos das grandes tecnológicas a determinarem como vemos o mundo, torna-se cada vez mais difícil para as pessoas tomarem decisões conscientes, o que os filósofos consideram como a dimensão básica do livre-arbítrio.

As grandes empresas tecnológicas, que valem mais do que o PIB de alguns países, procuram maximizar os lucros e não o bem-estar social. No entanto, numa altura em que a atenção está suplantando o dinheiro como mercadoria mais valiosa, o impacto das suas decisões tem um grande alcance.

James Williams, um engenheiro da Google que se tornou acadêmico, argumenta que a era digital desencadeou uma forte competição pela nossa atenção e que poucos se beneficiaram mais disso do que Trump, que é para a internet o que Ronald Reagan era para a televisão.

Ao mesmo tempo, o impacto da tecnologia na política é relativamente independente do tipo de regime. A tecnologia está tornando menos nítida a distinção reconfortante entre sociedades abertas e fechadas e entre economias planeadas e livres, acabando por tornar impossível a existência de qualquer uma delas na sua forma ideal.


Ao revelar a vigilância maciça do governo através da Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA), Edward Snowden deixou claro que o desejo pelo estado omnisciente não se limita à China. Pelo contrário, é inerente à ideia de segurança nacional nos EUA.

Na China, as coisas estão avançando na direção oposta. A verdade é que o governo chinês está pressionando as maiores empresas tecnológicas a dar-lhe um papel direto na tomada de decisões empresariais e acesso direto aos seus dados. Ao mesmo tempo, no entanto, a internet está mudando a natureza da política e da economia chinesas, pressionando ambas para se tornarem mais sensíveis às necessidades dos consumidores.

Por exemplo, um amigo meu que trabalhou no motor de busca Baidu explicou-me como a empresa tenta melhorar a experiência do consumidor com a censura, testando as maneiras pelas quais as pessoas preferem ser censuradas. Jack Ma, do gigante tecnológico Alibaba, acha que a China pode usar os Big Data para projetar intervenções estatais perfeitamente calibradas que lhe permitem superar as economias de mercado livre. Ma acredita que nas próximas décadas "a economia planeada será cada vez maior".

Na era digital, o maior perigo não é que a tecnologia ponha as sociedades livres e as autocráticas cada vez mais em confronto uma com a outra. É que os piores receios de Orwell e Huxley se tornem patentes em ambos os tipos de sistema, criando um género diferente de distopia.

Com muitos dos seus desejos mais profundos realizados, os cidadãos terão a ilusão de liberdade e empoderamento. Na realidade, as suas vidas, a informação que consomem e as escolhas que fazem serão determinadas por algoritmos e plataformas controladas por elites empresariais ou governamentais ocultas.

Comentário:

O texto revela a possibilidade do que para muitos não passa de mais uma teoria conspiratória de caráter estritamente religioso. Escatologistas cristãos afirmam que a Bíblia profetiza acerca de um governo único (Ap. 6:13). Uma "Nova Ordem Mundial", mas não imaginavam como tal governo poderia se estabelecer e governar, conseguindo exercer o controle sobre todos.

As tecnologias da informação parecem oferecer essa resposta. Diferente do que muitos imaginam, a existência de um governo mundial não necessita que fronteiras e líderes regionais sejam abolidos. Os países e seus governantes podem coexistir com um sistema de governo universal exercido, por exemplo, através de uma mesma cultura, ideologia e conjunto de leis, impostas gradualmente por meios diplomáticos (ONU, por exemplo) ou conflitos armados (guerras civis, terrorismo, etc.).

É fácil imaginar que o controle populacional pode ser apenas uma questão de dados, digitalizados e controlados por governos locais. Isso faz ponte com outra "teoria da conspiração", que é a utilização de microchips em seres humanos, substituindo os velhos documentos de papel e plástico. Além dos dados pessoais, informações financeiras, como as que portamos nos atuais cartões de crédito, podem ser inseridas de forma que facilitaria a logística de compras e aumentaria a segurança dos usuários contra roubos e clonagens.

Conspirações à parte, o fato é que a internet está se tornando um verdadeiro estado paralelo. Até que ponto os "governantes" existem e ditam suas regras, influenciando nossa opinião e o comportamento, não sabemos com precisão. Mas, se esse é um caminho sem volta como parece, melhor é que a nossa liberdade seja exercida ao máximo enquanto podemos, ou custe o que custar.


Por: Mark Leonard - Diretor do Conselho Europeu de Relações Exteriores
Com informações: Diário de Notícias
Comentário: Will R. Filho

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima