ESTUDO: Cientistas descobrem importante relação entre insônia e TDAH, conheça os 7 sinais


Cerca de 75% das crianças e adultos com Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) também têm problemas de sono, mas até então estes problemas eram encarados separadamente.


 Agora, de acordo com pesquisas mais recentes, cientistas estão propondo uma nova teoria que diz que grande parte do TDAH pode, de fato, ser um problema associado à falta de um sono circadiano regular [ritmo cardíaco regular durante o sono].

Apresentando a proposta na conferência da ECNP em Paris, a professora Sandra Kooij (professora associada de psiquiatria no VU University Medical Center, Amsterdã, fundadora e Presidente da Rede Européia Adult ADHD) disse:


"Há uma extensa pesquisa mostrando que as pessoas com TDAH também tendem a exibir problemas de sono. O que estamos fazendo aqui é levar essa associação para o próximo passo lógico: juntar todos os dados, o que nos leva a dizer que, com base nas evidências existentes, parece muito que o TDAH e os problemas circadianos estão entrelaçados na maioria dos pacientes.

Acreditamos nisso porque o ritmo [circadiano, ou do ritmo cardíaco] do dia e da noite são perturbados, o tempo de vários processos físicos é perturbado, não só do sono, mas também da temperatura, dos padrões de movimento, do tempo das refeições e assim por diante.

Se você observar as evidências, parece mesmo que o TDAH e a insônia são dois lados de uma mesma moeda fisiológica e mental".

A professora Kooij apresentou os pontos que levaram à conclusão:

01 - Em 75% dos pacientes com TDAH, a fase fisiológica do sono - onde as pessoas mostram os sinais fisiológicos associados com o sono, como alterações no nível da melatonina hormonal do sono e alterações no movimento relacionado ao sono - é adiada em 1,5 horas;

02 - As alterações da temperatura corporal do núcleo associadas ao sono também são atrasadas (refletindo as mudanças na melatonina);

03 - Muitos distúrbios relacionados ao sono estão associados ao TDAH, incluindo a síndrome das pernas inquietas, a apneia do sono e o distúrbio do ritmo circadiano, a síndrome da fase adormecida do sono;

04 - As pessoas com TDAH geralmente mostram maior atenção durante a noite, o que é o oposto do que é encontrado na população em geral;

05 - Muitos sofredores [com TDAH] se beneficiam ao tomar melatonina à noite ou terapia de luz pela manhã, o que pode ajudar a redefinir o ritmo circadiano;

06 - A pesquisa recente mostrou que cerca de 70% dos pacientes adultos com TDAH mostram uma supersensibilidade dos olhos à luz, levando muitos a usar óculos de sol por longos períodos durante o dia - o que pode reforçar os problemas associados a uma "mudança circadiana";

07 - O sono tardio crônico leva a uma cobrança [pelo corpo] de sono, associada à obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares e câncer. Esta cascata de conseqüências negativas para a saúde pode, em parte, ser evitável ao redefinir o ritmo do sono.

A professora Kooij continuou:

"Estamos trabalhando para confirmar este relacionamento físico-mental, encontrando biomarcadores, como níveis de vitamina D, glicemia, níveis de cortisol, pressão arterial durante as 24 horas, variabilidade da frequência cardíaca e assim por diante. Se a conexão for confirmada, levanta a questão intrigante: o TDAH causa insônia ou a insônia causa ADHD?

Se for esta última questão, então, poderemos tratar o TDAH por métodos não-farmacológicos, como a mudança de padrões de luz ou sono, e prevenir o impacto negativo da perda crônica do sono na saúde.

Nós não estamos dizendo que todos os problemas de TDAH estão associados a esses padrões circadianos, mas parece cada vez mais provável que este seja um elemento importante".

Comentando, o professor Andreas Reif (Hospital Universitário de Frankfurt e líder do projeto EU CoCA sobre TDAH), que não estava envolvido na pesquisa, disse:

"Um distúrbio do sistema circadiano pode, de fato, ser um mecanismo central no TDAH, o que também poderia ligar o TDAH a outras doenças mentais, como depressão ou transtorno bipolar. Mas além dessas considerações fisiopatológicas, os problemas do sono e as anormalidades dos ritmos circadianos são um grande problema para muitos pacientes, impactando fortemente em sua vida social.

Mais pesquisas sobre as interconexões entre o TDAH e o 'relógio interno' são, portanto, muito relevantes para melhorar a vida dos pacientes e esclarecer o mecanismo da doença TDAH".




COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima