Escola católica remove estátuas de Jesus e Maria para não ofender outras religiões e ser mais "inclusiva"

Tentando ser mais "inclusiva", uma escola católica na Califórnia removeu uma estátua do bebê Jesus e Maria e vários outros símbolos católicos do seu campus.


A escola de San Domenico, em San Anselmo, [EUA] reduziu de 180 para 18 o número de estátuas católicas em seu campus, de acordo com Marinij.com. A decisão de San Domenico, uma escola católica independente fundada em 1850, provocou fortes reações dos pais.

"Articular uma base inclusiva parece que significa deixar a tradição de São Domenico de 167 anos como uma escola católica dominicana e estar com medo e vergonha de celebrar nossas heranças e nossas crenças", escreveu Shannon Fitzpatrick, cujo filho de 8 anos estuda na escola.

Em um e-mail enviado para o Conselho de Administração e o Diretor da escola, Shannon escreveu:


"No nosso tempo aqui, a palavra 'Católica' foi removida da declaração da missão, os sacramentos foram removidos do currículo, o currículo da escola secundária foi alterado para as religiões do mundo, o logotipo e as cores foram alteradas para serem 'menos católicas' e o uniforme foi mudado para ser menos católico", continuou a mãe.

"Estou extremamente desapontada com a escola e com a direção que ela está indo", disse Cheryl Newell, que tinha quatro filhos na escola. "Esta não é uma coisa nova, o fato de que estão destruindo intencionalmente sua herança católica. Eles estão tentando ser algo que agrada a todos...".

Amy Skewes-Cox, que preside o Conselho de Ddministração da escola, defendeu a decisão.

"Se você anda no campus, a primeira coisa que você confronta é três ou quatro estátuas de São Domingos ou São Francisco, que podem ser perturbadoras para outras religiões, e não queremos continuar com esse sentimento", afirmou ela.

Cecily Stock, que é a Diretora da escola, também procurou justificar a decisão:

"Nos últimos anos, tivemos menos estudantes católicos como parte da comunidade e um maior número de alunos de várias tradições de fé. Atualmente, cerca de 80% das nossas famílias não se identificam como católicas", disse ela.

"Nosso objetivo nesta mudança está de acordo com um plano estratégico que foi aprovado pelo nosso Conselho de Curadores e Irmãs Dominicanas de San Rafael, em junho de 2016, e reflete nosso compromisso de continuar uma tradição de educação de inclusão de 167 anos", afirmou Kimberly Pinkson, Diretor de marketing e comunicação da escola, à Fox News .

No entanto, Fitzpatrick também disse: "Se muitos pais sentem que a escola está indo em uma direção diferente, então a comunidade de San Domenico deveria ter sido notificada antes de fazerem a matrícula para o ano seguinte".

Comentário:

Observe que o texto fala de uma escola de confissão católica e não de outra qualquer. Se trata, portanto, de uma escola de matriz religiosa, que por 167 anos teve seu currículo baseado na herança católica.

O que temos aqui é uma evidência clara de como as identidades culturais estão sendo perdidas. Entenda: não estão evoluindo, se aperfeiçoando, mas se perdendo! A destruição das identidades culturais é a destruição do próprio ser humano, pois a sociedade é feita e alicerçada sobre os pilares da sua cultura.

Você não precisa ser católico ou religioso para entender a importância da preservação de algumas tradições.

Quando uma instituição centenária demonstra fragilidade perante uma cultura oscilante, confusa e conflituosa como a nossa atual, acredite, algo de muito grave está acontecendo com nossa sociedade. Este é um sintoma de adoecimento coletivo.

Não estamos falando aqui, como dito antes, da substituição de um modelo por outro. A ideia de "inclusão" é falsa e filosoficamente equivocada, pois a verdadeira inclusão ocorre quando temos a capacidade de acolher uns aos outros sem que para isso precisemos deixar de ser quem somos. Quando discordamos, mas nos respeitamos e toleramos nossas diferenças.

O colégio católico não "ofende" os não católicos pelo simples fato de que a confissão do colégio é católica. Quem se matricula nele sabe qual é a sua orientação. Retirar símbolos religiosos do campus significa, na prática, deixar a herança católica para se adequar às conveniências do mundo.

Portanto, não se trata de inclusão, mas de abandonar os antigos pilares da fé em nome de uma sociedade cada vez mais em crise.



Fonte: The Chistian Post
Comentário: Will R. Filho

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima