VÍDEO: Maduro muda letra da música "Despacito" em propaganda do governo e é criticado pelo cantor Fonsi - Assista


O presidente socialista da Venezuela, Nicolas Maduro, estreou seu próprio remix socialista do single "Despacito", falado em espanhol.


A versão de Maduro apresenta novas letras que promovem seu plano para reescrever a constituição da nação com o objetivo de se perpetuar no poder.

A tentativa, realizada no canal de televisão estatal venezuelano VTV, exortou as pessoas a "abrirem os olhos e a olhar para o seu povo" antes do voto de domingo, para eleger uma "assembléia constituinte" de 545 deputados.


Os nomes na votação incluirão apenas candidatos cuidadosamente escolhidos a dedo pelo governo, principalmente líderes sindicais locais ou ativistas do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV).

A versão de Maduro da música, originalmente interpretada pelo cantor porto-riquenho Luis Fonsi e o rapper Daddy Yankee, foi da seguinte maneira:



Os adeptos que participaram da reunião se juntaram como torcedores, dançando, aplaudindo e acenando bandeiras venezuelanas enquanto Maduro tocava a música remixada.

Maduro e o líder da Assembléia Nacional do PSUV, Diosdado Cabello, também  usaram a música para descrever a oposição do país, dizendo: "Como a música diz, passo a passo, mais suave e suave, eles querem prejudicar o governo".

A música, cujo título traduz como "Lentamente", tornou-se recentemente a música mais transmitida de todos os tempos , com quase três bilhões de hits no YouTube e alcançou o número um em mais de trinta países em todo o mundo. Suas letras envolvem Fonsi tentando seduzir uma mulher casada com uma série de metáforas gráficas sobre os benefícios da promiscuidade sexual.

Os críticos do plano do governo temem que ele  revogue o poder dos legisladores, transformando efetivamente o país em uma ditadura.

Entre esses críticos está Fonsi [cantor da música "Despacito"], que foi ao Twiter para condenar o uso da música por Maduro, escrevendo em uma declaração:

"Em nenhum momento alguém me consultou, nem eu autorizei o uso ou mudança de letras em Despacito por meios políticos, muito menos no contexto da situação deplorável que a Venezuela está vivendo".

"Minha música é para todos aqueles que querem ouvir e apreciá-la, mas não para ser usada como propaganda tentando manipular a vontade de um povo gritando por liberdade e um futuro melhor".

Em um referendo [de iniciativa popular] que aconteceu na Venezuela no domingo passado, 98% dos participantes, ou 7,2 milhões de cidadãos venezuelanos rejeitaram a ideia [de uma nova constituinte]. No entanto, Maduro classificou o resultado como "sem sentido" [uma prova cabal de que esse ditador não reconhece a legitimidade de iniciativas populares, algo que deveria ser valorizado caso o país vivesse num clima de verdadeira democracia, ainda que não a reconhecesse como oficial].

Comentário:

Já comentamos em outra matéria como regimes autoritários utilizam elementos populares para se comunicar com a população mais simples. Se trata apenas de manipulação. Transmitir a ideia de um governo democrático, alegre, saudável e a favor do "povo", são formas de subverter a realidade e fazer incutir a ideologia socialista.

Essa prática não é nenhuma novidade. A tão famosa "política do pão e circo" romana é um exemplo clássico disso. O tempo passa e as histórias se repetem com novas roupagens, mas os mecanismos ideológicos são os mesmos. Cabe ao povo de cada época aprender com o passado para não continuar sendo vítima desses farsantes.


Com informações: Breitbart
Comentário: Will R. Filho

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima