Mulher morre após tomar remédio para emagrecimento comprado pela internet


As agências de saúde mexicanas estão procurando o fabricante de um medicamento para emagrecimento vendido on-line, depois que uma jovem mãe entrou em coma e morreu depois de ingerir as pílulas.


Lucero Priscila Garza Campos, de 24 anos, estava tomando Avitia Cobrax por um mês antes de ir ao médico para se queixar de dores de cabeça severas.

Foi admitida e diagnosticada com edema cerebral. Dois dias depois, ela sofreu parada cardíaca e entrou em coma. Garza teve sua vida mantida com a ajuda de aparelhos naquela semana, quando seus médicos declararam sua morte cerebral.


Os médicos disseram que as pílulas, comercializadas como remédio natural para perda de peso, foram um dos principais contribuintes para sua morte. As páginas em redes sociais e lojas da droga já foram retiradas do ar.

Garza encontrou Avitia Cobrax online enquanto procurava um remédio natural para ajudar a perder peso adquirido durante a gravidez com a filha agora de 1 ano de idade, relata o [jornal inglês] Independent .

Ela gastou US $ 65 nas pílulas e perdeu 15 libras [cerca de 6,800 kg] em 10 dias. As informações da propaganda afirmam que o produto usa calor para "reduzir a porcentagem de gordura corporal sem reduzir o músculo" [aqui no Brasil é conhecido como "termogênico"]. Duas drogas que usam ingredientes similares foram banidas pela agência de saúde do estado Cofepris, que está investigando se o mesmo fabricante está reproduzindo a droga com novos nomes.

Após a morte de Garza, a agência alertou contra os perigos das drogas vendidas on-line, tweetando (traduzido), "os medicamentos vendidos on-line e informalmente são um risco para a sua #saúde. Compre-os em estabelecimentos legais". (Nos EUA, a FDA [agência que regulamenta a produção e venda de medicamentos] aprovou uma nova pílula de perda de peso pela primeira vez em 13 anos).



Fonte: Fox News

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima