INCRÍVEL: Brinquedo terapêutico supera o "spinner" e conquista crianças no mundo inteiro

Brinquedo terapêutico supera o "spinner" e conquista crianças no mundo inteiro

O "hand spinner" que se tornou um fenômeno de vendas em várias partes do mundo é facilmente superado se comparado aos brinquedos clássicos que existem há centenas de anos.


O título da matéria é irônico. Ele apenas traduz na forma de uma manchete especulativa o que seria o anúncio de mais um novo "modismo", caso você já não conhecesse os quatro brinquedos que vamos listar aqui, apenas como um pequeno exemplo do que podem ser considerados "brinquedos terapêuticos".


Cuidado com os modismos na internet


É impressionante como a sociedade está cada vez mais sugestionável. Se por um lado os meios de comunicação na atualidade, como a internet, ultrapassam barreiras geográficas e culturais, por outro, ele consegue produzir facilmente "modismos" que surgem de um dia para o outro.

Não é preciso conhecer  a opinião de um especialista para entender que o "spinner" não é terapêutico, como foi divulgado por muitos. Todavia, o que significa ser "terapêutico" depende do sentido que determinado objeto, ou prática, assume para quem o utiliza/faz. 

Ou seja, qualquer coisa pode ter efeitos positivos se auxiliar, em dado momento, alguém a lidar com alguma dificuldade. Não fazer absolutamente nada ou passar o dia correndo pode ser "terapêutico" se isso aliviar o estresse de alguém, por exemplo.

Dessa forma, os brinquedos e brincadeiras de modo geral são "terapêuticos" para todas as crianças, pois auxiliam no seu desenvolvimento cognitivo e motor, além de proporcionar interação social, o que significa também o desenvolvimento de maturidade emocional//psicológica.

O que chama atenção desse "spinner" ter se tornado um fenômeno de vendas é a sua simplicidade, que não exige habilidades ou significativa criatividade do usuário, bem como a falta de discernimento dos pais, como se não já tivessem conhecido outros muito mais criativos e produtivos, do ponto de vista "terapêutico". Ao que parece, esses pais perderem suas referências de infância.

Pensando nisso, vamos listar aqui apenas quatro brinquedos que superam, e muito, a qualidade "terapêutica" do "spinner", além de serem muito baratos e proporcionarem melhor interação social entre crianças e adolescentes. 

Ioiô, um brinquedo terapêutico milenar




O ioiô é um dos brinquedos mais antigos do mundo, com cerca de 2.500 anos, segundo historiadores. Ele gira, assim como o "spinner", mas exige do usuário muito mais habilidade. A criança pode desenvolver várias manobras, estimulando sua criatividade. 

Existem campeonatos internacionais de ioiô. Portanto, o ioio além de ser muito barato é sem dúvida um excelente brinquedo "terapêutico".

Diabolô (ou Gira Maluco), um brinquedo terapêutico contagiante que estimula a coordenação e a criatividade


Diabolô um brinquedo terapêutico contagiante que estimula a coordenação e a criatividade


O diabolô, também conhecido como "gira maluco", é um brinquedo chinês também centenário, utilizado como acessório para fazer malabarismos. Apenas por essa qualidade já é possível perceber como ele exige do usuário habilidade e criatividade, não é mesmo? 

Muito famoso em todo o mundo, é considerado também uma evolução do ioiô chinês. Ele é composto por duas semiesferas unidas invertidas, que devem ser movimentadas e equilibradas por um cordão acionado por duas baquetas. Com o diabolô, um jogador experiente consegue fazer centenas de manobras.

Alguns anos atrás aqui no Brasil o diabolô também ficou bastante conhecido, mas se perdeu no decorrer do tempo. Tenho ótimas lembranças dele, o que me fez visitar este site para comprar um - profissional - por apenas R$ 29,90.


Pião, outro brinquedo terapêutico que estimula habilidades motoras e sociais


 Pião, outro brinquedo terapêutico que estimula habilidades motoras e sociais

O pião é outro grande clássico dos brinquedos que pode ser considerado "terapêutico". Além de muito barato, estimula o desenvolvimento motor considerado "fino", ou seja, de precisão, pois é necessário ter certa delicadeza para segurar o pião na mão enquanto ele gira.

Outro fator importante é que o pião é um brinquedo que pode ser utilizado como disputa, com outros colegas, onde um tenta "rachar" ou retirar o pião do outro de dentro de um círculo feito no chão. Note que além de ser muito barato, o pião proporciona criatividade e interação, o que faz dele um excelente brinquedo para as crianças.


Bolas de gude, brinquedo terapêutico que estimula a interação social



Você está percebendo como estamos falando apenas de brinquedos clássicos e sem qualquer efeito tecnológico? Não é por acaso! As crianças da atualidade precisam sair do "casulo", o que não significa apenas um quarto, ou casa, mas a concepção que ela tem de "brinquedo" como algo necessariamente associado à tecnologia, como jogos de celulares, videogames, etc.

As bolas de gude são brinquedos excelentes, porque estimulam o desenvolvimento de várias habilidades motoras finas, como a precisão (para conseguir acertar as outras bolas), a inteligência emocional e espacial (para saber qual lado jogar e como lidar com os competidores), o que significa percepção e a interação social, devido a possibilidade de jogar com outros colegas.

Além de estupidamente baratas, as bolas de gude podem ser colecionadas e disputadas entre os colegas, onde quem ganha o jogo leva a dos amigos. Isso é bom, porque proporciona aprendizagem social, refletindo no jogo situações da vida adulta que as crianças terão que lidar no futuro. Óbvio que essa avaliação parte de nós, adultos, especialmente de profissionais como esse que vos escreve. O importante é saber que para as crianças brincadeiras desse tipo são ótimas e muito mais eficientes no quesito "terapêutico" do que o "spinner", por exemplo.

Finalmente, é impossível produzir um texto como esse e não ficar emocionado. Lembrar dos bons momentos que brinquedos como esses nos proporcionam significa revelar o "eu" do autor, que passa a escrever com as memórias de criança.

Não tenho dúvida alguma que este sentimento apenas reforça a qualidade "terapêutica" desses brinquedos, que não deixariam tais lembranças se não tivessem sido excepcionais durante a infância.

Muitos outros brinquedos cumprem esse papel e são incrivelmente baratos. Cabe aos pais terem o bom senso, disposição e dedicação para oferecer e resgatar o que existe de melhor para seus filhos, ao invés de simplesmente seguirem adotando novos modismos.

Pense nisso.


Por: Will R. Filho

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima